Centro-direita abandona Bolsonaro e fortalece Lula

A ultra direita bolsonariana neofascista, depois de atrair o centro-direita, enfia-lhe faca nas costas, ferindo suas frágeis convicções em torno de construção de estado dominado por terceiro setor, ongs, associações etc

(Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)

O centro-direita que deixou a esquerda e o centro- esquerda para aliar-se à ultradireita bolsonarista na eleição de 2018 parece arrependida da opção política que fez.

Nada melhor para Lula e a esquerda em geral.

O relatório crítico da Associação de Empresários contra ataques à democracia promovidos por Bolsonaro é a ferida exposta de uma desilusão.

Depois de tentar quatro eleições, a partir da derrota de 2003, para o centro-esquerda, o centro-direita e a direita, em 2014, não suportaram mais derrota nas urnas.

Partiram para o golpe, começando por contestar o resultado eleitoral, em que Dilma venceu Aécio.

Os golpistas tornaram o país ingovernável em 2015 e 2016, viabilizando o golpe parlamentar, midiático e jurídico de 2016.

Transformaram-se em terroristas econômicos, para desorganizar a economia pela destruição de expectativas, com ajuda inestimável da mídia golpista.
A partir daí, com programa neoliberal, sem ser aprovado pela população, os golpistas iniciaram ataques à Constituição.

Objetivaram, essencialmente, destruição dos direitos sociais democratas, com os quais a democracia brasileira, no período pós-ditadura, afirmou-se, debaixo de críticas do centro-direita e ultradireita, atrelados ao capital internacional.

O governo Bolsonaro é a sequência do golpe neoliberal que chegou ao poder dando mais golpes jurídicos, por meio da Operação Lavajato, para impedir a oposição de disputar eleição, com seu principal candidato, Lula.

As denúncias de Dario Messer, doleiro internacional, de que abasteceu bolsos de juízes e procuradores da Lavajato, para realizarem papel sujo de armar julgamento e condenação viciadas, como denunciou Intercept Brasil, mostram as maquinações golpistas como um todo em movimento antidemocrático indesmentível.

Foi isso que levou o Supremo Tribunal Federal a libertar Lula e o TFR 4 a reagir ao STF, na semana passada, tentando descumprir preceito constitucional da presunção de inocência etc.

FASCISMO RACHADO

O país, portanto, encontra-se em meio a um racha na conjunção fascista golpista neoliberal que, por meio de fake news, tomou o poder.

A ultra direita bolsonariana neofascista, depois de atrair o centro-direita, enfia-lhe faca nas costas, ferindo suas frágeis convicções em torno de construção de estado dominado por terceiro setor, ongs, associações etc.

Os fascistas passam por cima disso como trator de esteira e mentem descaradamente sem apresentar provas de suas acusações, como fez Bolsonaro ao acusar o ator Di Caprio de tocar fogo na Amazônia.

O manifesto empresarial, ao qual se alinha o poderoso Paulo Lemann, incoformado com o massacre da democracia liberal pelos bolsonaristas de ultradireita, representa autocrítica ao golpe que ajudaram produzir.

Colhem, agora, desilusões diante da direita radical que transformou esse terceiro setor em adversário, tal como a esquerda e o centro-esquerda.

Depois desse manifesto, Lula tem diante de si a oportunidade de reunir os desiludidos centro-direitistas com Bolsonaro à oposição, para construir a plataforma eleitoral de 2020, eleição municipal, e de 2022, eleição presidencial.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247