Confissão de Moro e FBI: processos contra Lula precisam ser anulados

Os integrantes da Lava jato deveriam ser julgados por crimes de lesa-pátria e todos seus feitos deveriam ser anulados, principalmente a condenação de Lula

www.brasil247.com - Lula, Moro e Dallagnol.
Lula, Moro e Dallagnol. (Foto: 247 - Reuters)


Dois novos fatos apontam, mais uma vez, para a fraude que é a operação Lava Jato, que nos primórdios do golpe de Estado contra o PT aparecia como um bastião da ética contra a corrupção. Há muito tempo, o setor mais esclarecido da luta política denuncia que a “campanha contra a corrupção” da operação é uma farsa. 

No ano passado, com o vazamento de informações sobre a Lava Jato, a máscara foi desvendada para um público ainda maior, constrangendo inclusive a grande imprensa capitalista que defende Sergio Moro, Deltan Dallagnol e outros.

Agora, duas novas revelações reforçam o acerto dos que, desde os princípios da operação, denunciaram que não se podia cair em campanha demagógica “contra a corrupção” defendida pela direita - e com apoio de setores confusos e/ou pró-imperialistas da esquerda. São elas: o novo vazamento, publicado em reportagem pela Agência Pública e o The Intercept Brasil, que comprova a participação do FBI na força-tarefa da Lava Jato; e a declaração do ex-juiz Moro de que esteve “no ringue” contra Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Primeiramente, o novo vazamento comprova o que já era especulado por todos com bom senso político e conhecem a história: a Lava Jato foi uma operação dos Estados Unidos para garantir os interesses dos norte-americanos. A participação do FBI com os procuradores de Curitiba - sem nem mesmo o conhecimento do Ministério da Justiça - é ilegal e é um golpe contra a soberania do País. Mas isso é ainda pior quando lembramos que a Lava Jato foi o principal instrumento do imperialismo para realizar o golpe de Estado que derrubou o PT e impôs um regime político de terra arrasada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De fato, a Lava Jato atuou para garantir os interesses dos monopólios norte-americanos. Primeiro, através de uma campanha para destruir as empresas nacionais que cresciam no mercado mundial, como as empreiteiras - em especial, a Odebrecht. Desta forma, eliminavam-se concorrentes mundiais importantes para garantir o controle de empresas estrangeiras no âmbito internacional. Da mesma forma, abriam espaço para a dominação de empresas estrangeiras no âmbito nacional.

Segundo, através de uma campanha política contra adversários representantes, ou do movimento operário e da esquerda, ou de um setor da burguesia nacional (como no caso dos governadores do Rio de Janeiro anteriores a Wilson Witzel - Cabral, Pezão, Garotinho, etc.).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A questão Lula e PT, neste ponto, foi central. Era preciso, para facilitar a dominação política dos Estados Unidos no Brasil, eliminar o principal partido de esquerda e sua principal liderança do poder. Desta forma, o conjunto da burguesia (inclusive o setor prejudicado pela Lava Jato) se uniu para derrubar Dilma, e a Lava Jato, em seguida, foi atrás do ex-presidente.

A condenação de Lula no caso do Tríplex no Guarujá e os outros processos que existem contra ele são todos uma farsa, sem consistência e com fraudes. Na realidade, as provas apontam no sentido da inocência de Lula, mas isso não impediu o juiz Sergio Moro de prendê-lo. E aí, chegamos na segunda nova revelação. 

Há muito, Moro é denunciado por cometer perseguição política contra o ex-presidente. Agora, ele mesmo confessou. Enquanto juiz, entretanto, ele não deveria ter o papel de inquisidor ou de acusador, mas - teoricamente, segundo as leis abstratas do direito - julgar imparcialmente a acusação de Lula pelos procuradores da Lava Jato. Moro confessou estar “no ringue” contra o ex-presidente e, desta forma, admitiu ter atuado parcialmente no caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A condenação de Lula, por sua vez, permitiu a ascensão do governo de Jair Bolsonaro em eleições fraudadas pela Lava Jato, com o aval de todo o Poder Judiciário. Moro, que foi elemento-chave na fraude, tornou-se ministro de Bolsonaro, cujo principal oponente eleitoral era Lula.

Resumindo, está comprovado por “A + B” que a Lava Jato é uma operação de dominação política do imperialismo norte-americano no País e, portanto, um ataque à soberania nacional. Seus integrantes deveriam ser julgados por crimes de lesa-pátria e todos seus feitos deveriam ser anulados, principalmente a condenação de Lula, que foi uma farsa em seu conjunto. Ademais, todo o processo político (reformas, decretos, eleições, etc.) realizado após o golpe de 2016 deveria ser cancelado, pois tanto no governo Michel Temer, quanto no governo Bolsonaro, foi produto de um crime.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email