Luciano Bolsonaro: mil dias malditos

"Nada mais representativo desses mil e poucos dias do mais abjeto governo que a figura grotesca de Luciano Hang na CPI do Genocídio. O que me pergunto é a razão desse sujeito patético ter sido levado à CPI", escreve Eric Nepomuceno

www.brasil247.com - Luciano Hang
Luciano Hang (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)


Nada mais representativo desses mil e poucos dias do mais abjeto governo desde a proclamação da República que a figura grotesca de Luciano Hang na CPI do Genocídio. 

A mescla insólita de prepotência, mentiras reiteradas e estupidez criminosa reflete exatamente a figura irremediavelmente desequilibrada que ocupa o palácio presidencial. 

Nenhuma surpresa, nenhuma novidade. O que me pergunto é a razão desse sujeito patético ter sido levado à CPI. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Será que seus condutores não sabiam o que poderia acontecer – e aconteceu? Não perceberam que estavam abrindo amplo espaço para o extravagante empresário reunir material que, evidentemente, será deturpado e já está sendo divulgado nas redes sociais bolsonaristas? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Luciano Hang é exemplo palpável do Brasil de Jair Messias. E os senadores da bancada leal ao bolsonarismo reforçam esse retrato de um país devastado, destroçado. O que se viu durante o interrogatório da esverdeada figura confirma que a atual formação do Congresso é a pior em décadas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Passou o tempo em que entre deputados e senadores havia muita gente do mais alto nível, de diferentes tendências políticas e ideológicas. Restaram, por certo, poucos parlamentares de estirpe. Mas na contramão o grupo de aberrações supera, e muito, as exceções. Basta lembrar do comportamento de Arthur Lira, que preside a Câmara. Ou o senador gaúcho que insiste em reiterar afirmações ridículas e criminosas sobre medicamentos que, além de ineficazes, podem causar danos colaterais que terminam com a vida de quem os consumir.

Mil dias significam 24 mil horas. E em cada minuto de cada uma delas o país padeceu os efeitos de viver sob o jugo de um governo criminoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Faltam ainda muitos dias para que o país se veja livre de Jair Messias. Um ano e três meses para o primeiro de janeiro de 2023.

Hang, porém, vai sobreviver ao atual governo. E permanecerá como símbolo redondo de um tempo de breu. Um tempo de aberrações iguaizinhas a ele e tudo que representa com brilho exemplar.   

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email