Por que a ideia de ‘gênero’ está provocando reações negativas em todo o mundo?

Cada vez mais, os autoritários comparam ‘sexismo’ a ‘comunismo’ e ‘totalitarismo’.

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

A discussão sobre gênero tem sido evidenciada cada vez mais em nosso dia a dia, e a questão não é apenas por tratar-se de algo ou alguma coisa do Outro, mas sobretudo de condições nas quais todas, todos e todes tem se encontrado neste mundo. As linhas tênues que separam os sujeitos segundo tais classificações seguem obtusas e cada vez mais com menos distância (ou ainda ouviremos que menino veste azul e menina veste rosa, de acordo com Damares Alves, Ministra da Família?). 

A discussão é tão densa quando (im)perceptível em sua superficialidade. Ela é profunda ao tensionar grupos específicos do cristianismo e que pouco nos parece tocar, mas tais relevos estabelecem regras definidoras dos sujeitos que somos e de nossos comportamentos, ditando parâmetros que vão desde a escolha de nossas roupas, perfumes e modos de agir até o direito a vida e que vida podem gozar, ao longo de séculos.Quantas vezes não ouvimos que nossa sexualidade seria definida por cromossomos? E imerso num continuum os nossos desejos, expressões de nosso gênero, nossas práticas sexuais e o corpo anatômico, que parecem absolutos em certezas, são lançadas a caminhos pouco visíveis, mas adensados de pressupostos, que nos interpelam sobre ou sob, aquilo que deveríamos ser e não sobre aquilo que estamos. 

Para além do raso acionamento de termos , é preciso sempre lembrar, que “o jogo fascista é uma colmeia de contradições” em alusão a Humberto Eco, que nos ajuda a pensar um pouco mais quanto as frágeis receitas daquilo  que significa ser "homem" ou "mulher".

PUBLICIDADE

Trago a tradução abaixo, com link do original publicado pelo The Guardian, onde Judith Butler discorre sobre tais "certezas" e que, se adentrarmos, facilmente são postas em xeque.

Em Junho, o parlamento húngaro votou esmagadoramente para eliminar das escolas públicas todo o ensino relacionado com “homossexualidade e mudança de gênero”, associando os direitos e educação LGBTQI à pedofilia e à política cultural totalitária. Em finais de Maio, os deputados dinamarqueses aprovaram uma resolução contra o “ativismo excessivo” em ambientes de pesquisa acadêmica, incluindo estudos de gênero, teoria racial, estudos pós-coloniais e de imigração a sua lista de culpados. Em Dezembro de 2020, o Supremo Tribunal da Romênia derrubou uma lei que teria proibido o ensino da “teoria da identidade do gênero”, mas o debate que aí se desenrola é muito intenso. Os espaços livres de pessoas trans na Polônia foram declarados pelos transfóbicos, desejosos de purificar a Polónia, de influências culturais corrosivas vindas dos EUA e do Reino Unido. A retirada da Turquia da Convenção de Istambul, em Março, fez estremecer a UE, uma vez que uma das suas principais objeções era a inclusão de proteção para mulheres e crianças contra a violência, e este “problema” estava ligado à palavra estrangeira, “gênero”.

Os ataques à chamada “ideologia do gênero” cresceram nos últimos anos em todo o mundo, dominando o debate público alimentado por redes electrônicas e apoiado por amplas organizações católicas e evangélicas de direita. Embora nem sempre de acordo, estes grupos concordam que a família tradicional está sob ataque, que as crianças na sala de aula estão sendo doutrinadas para se tornarem homossexuais, e que “gênero” é uma ideologia perigosa, senão mesmo diabólica, que ameaça destruir famílias, culturas locais, civilização, e até o próprio “homem”.

PUBLICIDADE

Não é fácil reconstruir completamente os argumentos utilizados pelo movimento ideológico anti-gênero porque não se prendem a padrões de consistência ou coerência. Eles reúnem e lançam reivindicações incendiárias a fim de derrotar o que vêem como “ideologia de gênero” ou “estudos de gênero” por quaisquer meios retóricos necessários. Por exemplo, opõem-se ao “gênero” porque nega reputadamente o sexo biológico ou porque mina o caráter natural ou divino da família heteronormativa. Temem que os homens percam as suas posições dominantes ou fiquem fatalmente diminuídos se começarmos a pensar segundo a ideia de gênero. Acreditam que as crianças são aconselhadas a mudar de gênero, são ativamente recrutadas por gays e trans, ou pressionadas a declararem-se como gays em ambientes educativos onde um discurso aberto sobre gênero é caricaturado como forma de doutrinação. E preocupam-se que se algo chamado “gênero” for socialmente aceito, uma inundação de perversidades sexuais, incluindo bestialidade e pedofilia, será desencadeada sobre a terra.

Embora nacionalista, homo/transfóbico e misógino, o principal objetivo do movimento é o de inverter a legislação progressista alcançada nas últimas décadas tanto pelos movimentos LGBTQI como feministas. De fato, ao atacarem o “gênero”, opõem-se à liberdade reprodutiva das mulheres e aos direitos dos pais/mães solteiras/es/sos; opõem-se à proteção das mulheres contra a violação e a violência doméstica; e negam os direitos legais e sociais das pessoas trans, juntamente com uma gama completa de direitos legais e institucionais contra a discriminação de gênero, internamento psiquiátrico forçado, assédio físico brutal e homicídio. Todo este fervor aumentou durante o período pandêmico em que o abuso doméstico disparou e pessoas queers e as crianças trans foram privadas dos seus espaços de reunião em comunidades que sustentam a vida.

Estudos de gênero não negam o sexo; perguntam como é estabelecido o sexo, através de que quadros médicos e legais

É suficientemente fácil desmascarar e até ridicularizar muitas das alegações que são feitas contra estudos de gênero ou identidade de gênero, uma vez que se baseiam em caricaturas finas, e muitas vezes se aproximam do fantasmagórico. Se é importante (e esperemos que ainda o seja), não há um conceito único de gênero, e os estudos de gênero são um campo complexo e internamente diversificado que inclui uma vasta gama de estudiosos. Não nega o sexo, mas tende a perguntar como o sexo é estabelecido, através de que quadros médicos e legais, como isso mudou com o tempo, e que diferença faz para a organização social do nosso mundo desligar o sexo atribuído à nascença da vida que se segue, incluindo questões de trabalho e amor.

PUBLICIDADE

Geralmente pensamos que a designação sexual acontece uma vez, mas e se for um processo complexo e passível de revisão, reversível no tempo para aqueles que foram erradamente designados? Argumentar desta forma não é tomar uma posição contra a ciência, mas apenas perguntar como é que a ciência e o direito entram na regulação social da identidade. “Mas há dois sexos!” Geralmente, sim, mas mesmo os ideais do dimorfismo que regem as nossas concepções quotidianas do sexo são em muitos aspectos contestados pela ciência, bem como pelo movimento Intersexo, que tem mostrado como a atribuição de sexo pode ser incômoda e (in)consequente.

Fazer perguntas sobre o gênero, ou seja, como a sociedade está organizada de acordo com o gênero, e com consequências para a compreensão dos corpos, experiência vivida, associação íntima, e prazer, é envolver-se numa forma de pesquisa e investigação aberta, opondo-se às posições sociais dogmáticas que procuram parar e inverter a mudança emancipatória. E no entanto, “estudos de gênero” é oposto ao “dogma” por aqueles que se entendem ao lado da “crítica”.

Poderiamos continuar explicando, longamente, as várias metodologias e debates no âmbito dos estudos de gênero, a complexidade da área de estudo, e o reconhecimento que esta recebeu como um campo de estudo dinâmico em todo o mundo, mas isso exigiria um compromisso com a educação por parte do leitor e ouvinte. Dado que a maioria destes opositores se recusa a ler qualquer material que possa contradizer as suas crenças ou escolher a cereja de textos complexos para apoiar uma caricatura, como se deve proceder?

PUBLICIDADE

Ainda há aqueles que afirmam que o próprio conceito de “gênero” é um ataque ao cristianismo (ou, em alguns países, ao islamismo tradicional), e acusam os proponentes do “gênero” de discriminarem as suas crenças religiosas. No entanto, o campo significativo do gênero e da religião sugere que os inimigos não vêm de fora, e que o dogma se encontra de um lado, o dos censores.

Para este movimento reacionário, o termo “gênero” atrai, condensa e eletrifica um conjunto diversificado de ansiedades sociais e econômicas produzidas pela crescente precariedade econômica sob regimes neoliberais, intensificando a desigualdade social, e o encerramento pandêmico. Alimentados pelo medo do colapso das infraestruturas, pela raiva anti-migrante e, na Europa, pelo medo de perder a santidade da família heteronormativa, a identidade nacional e a supremacia branca, muitos insistem que as forças destrutivas do gênero, os estudos pós-coloniais e a teoria racial crítica são os culpados. Quando o gênero é assim considerado como uma invasão estrangeira, estes grupos revelam claramente que estão numa negociata de construção de uma nação. A nação pela qual estão lutando é construída sobre a supremacia branca, a família heteronormativa, e uma resistência a todo o questionamento crítico de normas que restringiram claramente as liberdades e imperiosamente as vidas de tantas pessoas.

O desaparecimento dos serviços sociais sob o neoliberalismo tem pressionado a família tradicional providenciando trabalho de cuidados, como muitas feministas têm argumentado com razão. Por sua vez, a fortificação das normas patriarcais no seio da família e do Estado tornou-se, para algumas, imperativa face aos serviços sociais dizimados, dívidas impagáveis, e perda de rendimentos. É contra este pano de fundo de ansiedade e medo que o “gênero” é retratado como uma força destrutiva, uma influência estrangeira infiltrando-se na política corporal e desestabilizando a família tradicional.

De fato, o gênero vem a representar, ou estar ligado a todo o tipo de “infiltrações” imaginadas do organismo nacional — migrantes, importações, a perturbação da economia local através dos efeitos da globalização. Assim, o “gênero” torna-se um fantasma, por vezes especificado como o próprio “diabo”, uma pura força de destruição que ameaça a criação de Deus (e não, segundo julgo saber, as alterações climáticas, que seria um candidato muito mais provável). Um tal fantasma de poder destrutivo só pode ser subjugado através de apelos desesperados ao nacionalismo, anti-intelectualismo, censura, expulsão, e fronteiras mais fortemente fortificadas. Uma razão, portanto, mais do que nunca, precisamos de estudos de gênero e dar sentido a este movimento reacionário.

O movimento ideológico anti-gênero atravessa fronteiras, ligando organizações da América Latina, Europa, África, e Ásia Oriental. A oposição ao “gênero” é expressa por governos tão diversos como a França de Macron e a Polónia de Duda, circulando em partidos de direita naItália, aparecendo nas principais plataformas eleitorais na Costa Rica e na Colômbia, proclamadas com grande barulho por Bolsonaro no Brasil, e responsáveis pelo encerramento de estudos de gênero em vários locais, o mais infame na Universidade Europeia em Budapeste em 2017, antes da sua relocação para Viena.

Na Alemanha e em toda a Europa Oriental, o “genderism” é comparado ao “comunismo” ou ao “totalitarismo”. Na Polônia, mais de uma centena de regiões declararam-se “zonas anti-LGBT”, criminalizando uma vida pública aberta para qualquer pessoa percebida como pertencente a essas categorias, forçando os jovens a abandonar o país ou a passar à clandestinidade. Estas chamas reacionárias foram alimentadas pelo Vaticano, que proclamou “ideologia de gênero” “diabólica”, chamando-lhe de uma forma de “imperialismo colonizador” originário do norte e suscitando receios sobre a “inculcação” da “ideologia de gênero” nas escolas.

Os movimentos anti-gênero não são apenas tendências reacionárias mas fascistas, do tipo que apoiam governos autoritários

De acordo com Agnieszka Graff, co-autora com Elzbieta Korolczuk da Política Anti-Gênero no Momento Populista, as redes que amplificam e circulam o ponto de vista anti-gênero incluem a Organização Internacional para a Família, que conta com milhares de participantes nas suas conferências e a Plataforma online CitizenGo, fundada na Espanha, que mobiliza pessoas contra palestras, exposições e candidatos políticos que defendem os direitos LGBTQI. Eles afirmam ter mais de 9 milhões de seguidores, prontos para se mobilizarem num instante (mobilizaram-se contra mim no Brasil em 2018 quando uma multidão furiosa queimou a efígie da minha “imagem” fora do local onde eu iria falar). A terceira é a Agenda Europa, composta por mais de 100 organizações, que lança o casamento gay, os direitos trans, a liberdade reprodutiva, e os esforços anti-discriminação LGBTQI como ataques ao cristianismo.

Os movimentos anti-gênero não são apenas tendências reacionárias mas fascistas, do tipo que apoiam governos cada vez mais autoritários. A inconsistência dos seus argumentos e a sua abordagem de igualdade de oportunidades às estratégias retóricas da esquerda e da direita, produzem um discurso confuso para uns, um discurso convincente para outros. Mas são típicos dos movimentos fascistas que distorcem a racionalidade para se adequarem a objetivos hiper-nacionalistas.

Insistem que o “gênero” é uma construção imperialista, que é uma “ideologia” que agora se impõe às culturas locais do Sul global, recorrendo espantosamente à linguagem da teologia da libertação e à retórica descolonial. Ou, como afirma o grupo italiano de direita Pro Vita, o “gênero” intensifica os efeitos sociais do capitalismo enquanto que a família heteronormativa tradicional é o último baluarte contra a desintegração social e o individualismo anômico. Tudo isto parece decorrer da própria existência de pessoas LGBTQI, das suas famílias, casamentos, associações íntimas, e formas de viver fora da família tradicional e dos seus direitos à sua própria existência pública. Também decorre de reivindicações legais feministas à liberdade reprodutiva, exigências feministas para acabar com a violência sexual, bem como a discriminação econômica e social contra as mulheres.

Ao mesmo tempo, os opositores do “gênero” procuram recorrer à Bíblia para defender os seus pontos de vista sobre a hierarquia natural entre homens e mulheres e os valores distintivos do masculino e do feminino (embora os teólogos progressistas tenham salientado que estes se baseiam em leituras discutíveis de textos bíblicos). Assimilando a Bíblia à doutrina da lei natural, eles afirmam que o sexo atribuído é divinamente declarado, sugerindo que os biólogos e médicos contemporâneos estão curiosamente ao serviço da teologia do século XIII.

Não importa que as diferenças cromossômicas e endocrinológicas compliquem o binarismo do sexo e que a atribuição de sexo seja passível de revisão. Os defensores anti-gênero afirmam que os “ideólogos do gênero” negam as diferenças materiais entre homens e mulheres, mas o seu materialismo rapidamente se devolve à asserção de que os dois sexos são “fatos” intemporais. O movimento anti-gênero não é uma posição conservadora com um conjunto claro de princípios. Não, como tendência fascista, mobiliza uma série de estratégias retóricas de todo o espectro político para maximizar o medo de infiltração e destruição que vem de um conjunto diversificado de forças económicas e sociais. Não luta pela coerência, pois a sua incoerência faz parte do seu poder.

Na sua conhecida lista dos elementos do fascismo, Umberto Eco escreve, “o jogo fascista pode ser jogado de muitas formas”, pois o fascismo é “uma colagem … uma colmeia de contradições”. De fato, isto descreve perfeitamente a ideologia anti-gênero de hoje. É um incitamento reacionário, um feixe incendiário de reivindicações e acusações contraditórias e incoerentes. Eles banqueteam-se com a própria instabilidade que prometem conter, e o seu próprio discurso apenas proporciona mais caos. Através de uma série de reivindicações incoerentes e hiperbólicas, eles inventam um mundo de múltiplas ameaças iminentes para defender o governo autoritário e a censura.

Esta forma de fascismo manifesta instabilidade mesmo quando procura afastar a “desestabilização” da ordem social provocada pela política progressista. A oposição ao “gênero” funde-se frequentemente com o furor e o medo anti-migrante, razão pela qual se funde frequentemente, em contextos cristãos, com a islamofobia. Também os migrantes são considerados como “infiltrando-se”, envolvendo-se em actos “criminosos”, mesmo quando exercem os seus direitos de passagem ao abrigo do direito internacional. No imaginário dos defensores da ideologia anti-gênero, o “gênero” é como um migrante indesejado, uma mancha de entrada, mas também, ao mesmo tempo, um colonizador ou totalitário que deve ser expulso. Mistura discursos de direita e de esquerda à vontade.

Como uma tendência fascista, o movimento anti-gênero apoia formas de autoritarismo cada vez mais fortes. As suas táticas encorajam os poderes estatais a intervir em programas universitários, a censurar a arte e a programação televisiva, a proibir às pessoas trans os seus direitos legais, a proibir as pessoas LGBTQI a estarem nos espaços públicos, a minar a liberdade reprodutiva e a luta contra a violência dirigida às mulheres, crianças e pessoas LGBTQI. Ameaça a violência contra aqueles, incluindo migrantes, que foram lançados como forças demoníacas e cuja supressão ou expulsão promete restaurar uma ordem nacional sob coação.

É por isso que não faz sentido para as feministas “críticas de gênero” aliarem-se com poderes reacionários na mira de pessoas trans, não binárias/queers, e com maior perspectiva de gênero. Vamos todas/es/os ser verdadeiramente críticos agora, pois não é o momento de nenhum dos destinatários deste movimento se voltarem uns contra os outros. O tempo da solidariedade anti-fascista é agora.

Judith Butler ( Berkeley University) seu último livro é The Force of Nonviolence (A Força da Não-Violência)

Original: https://www.theguardian.com/us-news/commentisfree/2021/oct/23/judith-butler-gender-ideology-backlash?CMP=Share_iOSApp_Other

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email