Juíza critica militares 'aquartelados' no Javari e determina medidas urgentes após ameaças contra índios

O Judiciário deu cinco dias para que União e Funai comprovem quais medidas foram colocadas em prática para proibir a atuação dos pescadores ilegais no Vale do Javari

www.brasil247.com - Vale do Javari (AM)
Vale do Javari (AM) (Foto: ABR)


247 - A Justiça Federal da 1ª Região determinou nesta sexta-feira (25) que a União e a Fundação Nacional do Índio (Funai) tenham, com urgência, alternativas para proteger a vida e a integridade física dos povos indígenas do Vale do Javari (AM) ameaçados de morte.

De acordo com informações publicadas nesta sexta pela coluna de Mônica Bergamo, o Judiciário deu cinco dias para que União e Funai comprovem quais medidas foram colocadas em prática para proibir a atuação dos pescadores ilegais no Vale do Javari.

>>> Polícia prende atirador que invadiu escolas e deixou três mortos e onze feridos no Espírito Santo

A juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe, da 1ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Amazonas, afirmou que a "presença de membros da Força Nacional e do Exército Brasileiro somente se justifica no local se fizerem a efetiva fiscalização nas terras, floresta e rios". "Não se justifica ficarem 'aquartelados' nas poucas unidades que ainda existem no local", disse.

O Vale do Javari foi a mesma região onde o jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira foram assassinados em junho de 2022. Os dois eram ativistas ambientais.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247