Haddad sobre Flávio Bolsonaro: "Espero que seja preso antes das eleições"

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) desejou a prisão de Flávio Bolsonaro por causa do esquema de rachadinha que acontecia na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj)

Fernando Haddad e Flávio Bolsonaro
Fernando Haddad e Flávio Bolsonaro (Foto: PT no Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), candidato a presidente da República em 2018, desejou a prisão do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), após uma reportagem do programa Fantástico destacar o esquema de rachadinha que acontecia na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), onde ele cumpria mandato de deputado estadual antes de ser eleito para o Senado. 

"'Agora deu ruim': Globo divulga mensagens de ex-assessora de F. Bolsonaro. Espero que seja preso antes das eleições!", postou o ex-presidenciável no Twitter. 

Ex-assessora de Flávio Bolsonaro (Republicanos), Luiza Sousa Paes havia confessado, antes da reportagem, que nunca atuou como funcionária do filho de Jair Bolsonaro e também era obrigada a devolver mais de 90% do salário. 

Na matéria desse domingo (8), foi destacada a relação da ex-assessora com Queiroz. Vizinha do operador financeiro da família Bolsonaro, ela foi nomeada em 2011 para o gabinete de Flávio como assessora parlamentar, quando tinha 20 anos.

O Ministério Público do estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou Flávio Bolsonaro e Queiroz por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Além da rachadinha, outra revelação (não do Fantástico) apontou que Fabrício Queiroz pagou com dinheiro de caixa 2 pelo menos quatro cabos eleitorais da campanha de Flávio Bolsonaro ao Senado, em 2018. São pessoas que trabalharam para a campanha do atual parlamentar, por meio de entrevistas gravadas, textos e vídeos. 

De acordo com os dados, Queiroz fez 15 transferências bancárias para essas pessoas, no total de R$ 12 mil. Os depósitos aconteceram entre 3 de setembro e 8 de outubro de 2018, período de campanha eleitoral até o dia seguinte ao primeiro turno. 

Queiroz foi preso no dia 18 de junho em Atibaia (SP), onde estava escondido em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, então advogado de Flávio - depois ele deixou a defesa do parlamentar. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247