Queiroz e Flávio Bolsonaro são denunciados no esquema de corrupção da rachadinha

A denúncia, por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, foi oferecida à Justiça do Rio em 19 de outubro, mas, como o desembargador-relator estava de férias, a peça só chegou a ele na última terça-feira (3)

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz foram denunciados ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro na investigação sobre a chamada rachadinha da ALERJ.

A denúncia, por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, foi oferecida à Justiça do Rio em 19 de outubro, mas, como o desembargador-relator estava de férias, a peça só chegou a ele na última terça-feira (3), escreve o Estadão.

Flávio foi apontado como líder de organização criminosa e Queiroz como operador de um esquema ilegal que funcionou por mais de uma década no gabinete do então deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, caso que começou a ser investigado em 2018, após a identificação de uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz. 

​A investigação revelou um esquema no qual assessores, efetivos ou fantasmas, eram nomeados mas devolviam grande parte de seus salários para Fabrício Queiroz, que atuava, segundo os investigadores, sob orientação de Flávio. Além deles, outras 15 pessoas foram denunciadas.

Os acusados terão 15 dias para apresentar uma resposta à denúncia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247