Brasil 247: dez anos de luta democrática

"Nestes dez anos, temos muito orgulho de ter defendido duas verdades históricas: Dilma Rousseff foi derrubada por um golpe de estado e Lula foi um preso político", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247. "Vencemos a imprensa corporativa porque somos profissionais da informação verídica". Saiba como assinar

www.brasil247.com - Flickr 247
Flickr 247 (Foto: Flickr 247)
Siga o Brasil 247 no Google News

Dez anos atrás, quando decidi criar o site de notícias Brasil 247, hoje o principal veículo de mídia independente, progressista e democrático do Brasil, vivíamos num país completamente diferente. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, até hoje primeiro e único representante das classes populares a ocupar a presidência da República, estava prestes a completar seu segundo mandato com 87% de aprovação popular. A despeito de eventuais erros cometidos, pela primeira vez na História, o Brasil combinava crescimento econômico, redução das desigualdades sociais, eliminação da pobreza, respeito internacional e plena vigência das liberdades democráticas. Éramos exemplo para o mundo.

“Nunca fomos tão felizes”, dizia uma revista semanal. “O Brasil decola”, estampava uma publicação internacional em sua capa. A então ministra Dilma Rousseff também estava prestes a se tornar a primeira mulher do Brasil a exercer a presidência da República, o que fez com total dedicação e integridade.

Era um momento de confiança. Um momento de esperança. E de quase certeza de que o Brasil finalmente realizaria a sua vocação de se tornar uma potência no concerto das nações. A realização deste projeto coletivo seria fruto de uma democracia que, apesar de suas imperfeições, produziu uma Constituição cidadã, fruto da soberania popular, que garantiu aos brasileiros e brasileiras direitos civis, econômicos e sociais. Quando o povo brasileiro pôde escolher livremente o seu destino, o País encontrou o caminho do desenvolvimento com justiça social.

PUBLICIDADE

Foi nesse ambiente que a primeira notícia publicada pelo Brasil 247 veio a público, no dia 13 de março de 2011, a data que consideramos ser a do nosso aniversário de nascimento, do nosso marco zero. Dias atrás, conversando com o amigo Celso Amorim, maior embaixador da história do Brasil, ele me lembrou da coincidência histórica. Foi também neste dia, em 1964, que o ex-presidente João Goulart participou do famoso comício da Central do Brasil, em que prometeu as suas reformas de base. Reformas que poderiam ter transformado o Brasil há várias décadas num País de classe média, mas que foram usadas como pretexto para o golpe militar que aconteceria poucos dias depois.

A história se repetiria em 2016, quando a ex-presidente Dilma Rousseff foi derrubada com o pretexto ridículo das “pedaladas fiscais”. Novamente, desta vez de forma farsesca, as forças retrógradas do País jogavam por terra o projeto progressista de um país democrático, soberano, justo e próspero.

Na inauguração do Brasil 247, naquele 13 de março de 2011, eu não imaginava que a democracia brasileira fosse tão frágil. Eu, que cresci e formei minha consciência política durante um período de plenas liberdades, até hoje tenho dificuldades em olhar para trás e ver que o Brasil conseguiu despedaçar seu bem mais precioso: a sua própria democracia. O pacto democrático instituído pela Constituição de 1988 caiu como um precário castelo de cartas.

PUBLICIDADE

Antes que isso acontecesse, porém, o Brasil 247 foi sendo construído, tijolo a tijolo, até formar uma das melhores equipes de jornalistas do Brasil, o melhor conselho editorial de toda a mídia brasileira e reunir grandes nomes do jornalismo no coletivo dos Jornalistas pela Democracia.

Agora, estamos completando dez anos de vida. Não foi fácil chegar até aqui, mas, ao olhar para trás, temos muito orgulho do que foi construído, assim como a consciência do que falta fazer. Com muita dedicação e entrega, vencemos a “disputa de narrativas” sobre o golpe de 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff e sobre o golpe preventivo de 2018, com a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Hoje, qualquer pessoa com honestidade intelectual sabe que Dilma foi vítima de um golpe e que Lula foi alvo de perseguição judicial para que não disputasse uma eleição presidencial que venceria com facilidade. Vencemos a imprensa corporativa e continuaremos a vencê-la porque, ao contrário do “jornalismo profissional”, temos compromisso com a verdade histórica e com a defesa do interesse público. Somos profissionais da informação verídica.

Ao longo dessa década, estivemos sempre do lado certo da História: a democracia. E pudemos fazer isso graças à nossa independência. Ao contrário da mídia corporativa, não temos o “rabo preso com ninguém”. Nosso trabalho não é comprado pelo grande capital. Dependemos basicamente de vocês, leitores do Brasil 247 e telespectadores da TV 247. 

PUBLICIDADE

Com o apoio de vocês, nosso objetivo é construir uma empresa de comunicação progressista e democrática, totalmente financiada por seus próprios assinantes. Assinantes que têm uma visão solidária do mundo, e não egoísta. Quando decidimos pedir assinaturas, só o fizemos após conhecer o modelo de assinaturas solidárias, em que quem pode contribuir o faz para que nosso conteúdo seja aberto para quem não pode contribuir. Na nossa visão de mundo, a informação é um direito de todos, e não uma mercadoria ou um privilégio.

Todos os nossos assinantes poderão fazer parte da Frente 247, nosso canal de discussões no Discord. Nesta rede, os assinantes poderão interagir diretamente conosco ou entre si. E a partir de agora praticamente todos os nossos leitores no Brasil 247 ou telespectadores na TV 247 terão condições econômicas de ser também nossos assinantes. Explico: acabamos de desenvolver um sistema de assinaturas por Pix, em que o leitor/telespectador poderá ser nosso assinante a partir de qualquer valor. Basta inserir o dia em que gostaria de ser lembrado de fazer o pagamento da assinatura para que a cada mês nós enviemos lembretes em sua caixa de correio eletrônico. Qualquer valor importa e faz diferença para a construção de uma mídia comprometida com a democracia e os direitos humanos.

Caso você deseje fazer parte da Frente 247, pode escolher assinar por Pix, por cartão de crédito por meio da plataforma Vindi, por Paypal, ou usando plataformas de financiamento coletivo como Vakinha, Catarse, Apoia-se ou Patreon, além da possibilidade de ser membro no YouTube ou de pedir boleto bancário, enviando mensagem para o email [email protected].
Somos muito gratos a todas as pessoas que hoje nos apoiam. Mas agora é hora de multiplicar a nossa base de assinantes para consolidar o Brasil 247 e a TV 247 e seguir na luta por uma democracia plena no Brasil e pelo resgate da nossa soberania. Muito obrigado!

PUBLICIDADE


Inscreva-se na TV 247 e no canal de cortes do 247

Assine o 247

Siga-nos no Google News

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook

Entre no nosso grupo de discussões no Discord

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email