Jesus votaria pela Lei do Desarmamento, certeza!

www.brasil247.com - Marco Feliciano
Marco Feliciano (Foto: Reprodução | Reuters)


Primeiramente, somos cristão hipócritas. Logo para começar este texto, não quero aliviar nem mesmo o meu lado: somos cristãos contra as lições de Jesus Cristo! E isso envergonha a face mais pura e mais terna do Senhor de Nazaré...

Segundo, sinceramente, vivemos a contemporaneidade em que os crentes e católicos mais conservadores chamam de “finais dos tempos”. Isto é, segundo estes (e sou católico para empreender bem o lugar de fala), “Jesus está voltando” e julgará a todos à medida de sua régua santa. 

Que curiosidade irônica: no tempo que profetizam os cristãos sobre o arrebatamento, o momento derradeiro em que todos morreremos, ou (os justos) serão levados aos céus pela Mão de Deus, é justamente o tempo em que cristãos mais desejam o mal ao irmão (a figura do outro, sem qualquer alteridade ou empatia)! O tempo em que o tempero da morte e do desejo que o alheio (o diferente de mim; o negro da favela que parece bandido; o outro que não professa a minha fé; e os vários tipos de outros) deve morrer, sucumbir, sumir, ou por força da natureza, ou pelos punhos másculos de aço (das armas) que possuo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se a lei dos homens não resolve as violências, portanto, estou autorizado, legitimado para usar mais violência (ter armas, por exemplo; amarrar no poste o menino batedor de carteira e bater na cara dele até sangrar, sem lição para aprender, pois, a depender da quantidade de mãos, este irá morrer e eu “não tô nem aí”).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Escrevo este texto bem parecido com os atuais cristãos chamados de “homens de bem”: cheio de “ódio”[1] e “rancor” no meu coração. É isso que tem sido estes pseudo-cristãos, e nisso que estão tentando me transformar (uma pena!).

E por que digo que não estou bem emocionalmente? Cara, vê o absurdo e improvável (seria se fôssemos verdadeiros cristãos) de um pastor evangélico usando “óleo santo” e a Palavra de Deus para abençoar uma quantidade enorme de armas[2] de vários calibres, doeu sem dó na minha alma. Grito revolta, tristeza e uma certa desesperança com a humanidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não quero me alongar neste texto (que é mais um desabafo reflexivo para vê se amanhã eu me torno um verdadeiro cristão). Entretanto, trago de forma bem ligeira, dois aspectos a que possamos analisar: 

1) como enxergamos nos dias de hoje, as chamadas Cruzadas, as Guerras “Santas” em que cristãos iam ao fronte de batalha, “abençoados” por Deus para matar e matar e matar; tirar vidas sob o calor da emoção e a desculpa esfarrapada de que era para proteger a fé cristã, senão apenas para proteger relações de poder e riqueza de alguns, suas propriedades?

2) o que nos vem ao estômago quando lembramos que, nos tempos da “Santa” Inquisição, pessoas eram queimadas vivas em praça pública sob a justificativa (bossal) de que haviam cometido alguma heresia com o nome sagrado de Jesus Cristo?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso é história real. E a maioria dos cristãos que converso (não desconversam) repudiam estes tempos, pois significa arbitrariedade, dor, sofrimento, morte, impróprios à semântica, às metáforas, às parábolas, às lições de amor de Jesus Cristo. 

Marx (você goste ou não) nos ensina que “a história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”. E vê esse pastor (não apenas ele, mas tudo que temos visto de padres empunhando armas dentro da Igreja, ou fazendo “arminha com a mão” na própria Missa), certamente é o tapa na cara que recebemos da farsa histórica (já ocorrida noutros tempos). E não aprendemos nada!

Por derradeiro, vamos ao centro deste texto: o verdadeiro Jesus Cristo, não o Galileu deste pastor (e outros pastores e padres e seus seguidores). Não vou “perder seu tempo”, leitor, leitora. Vou direto ao tratado de desarmamento que Jesus pregou no seu tempo. Assim diz o evangelista:

"10. Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha direita. (O servo chamava-se Malco.) 11. Mas Jesus disse a Pedro: “Enfia a tua espada na bainha! Não hei de beber eu o cálice que o Pai me deu?”. 12. Então os soldados de Roma, o tribuno e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o ataram." (João, 18, 10-12)

Não tenho dúvidas: se hoje Cristo viesse fisicamente à Terra e fosse ao parlamento brasileiro, votaria contra qualquer lei que empunhasse armas nas mãos de seus filhos, de todos nós...

....................

[1] Deixo duas observações sobre o texto: 

i) não, eu não sinto “ódio” e usei esta palavra apenas para ilustrar os tempos líquidos de hoje, em que tem prevalecido, inclusive nas atitudes de certos cristãos, a política da morte em detrimento da vida (não ao ódio; sim ao amor!); 

ii) falar de que Jesus é pelo desarmamento da população não é ideologia de “A” ou “B”; é lógica; basta ouvir (sem ouvidos moucos) as palavras do evangelho e veremos que o Filho de Deus é pela Paz e contra qualquer tipo de violência, de qualquer natureza; e

iii) não estou a chamar todos os cristãos (fiz em forma de hipérbole) de hipócritas porque, aliás, tenho enorme admiração pelos cristãos verdadeiros. Minha tristeza é com os cristão que se fingem de bons, mas que seus atos são maus. Mas vale para refletirmos nosso papel no mundo...

[2] Para quem desejar assistir à aberração desse tipo de anti-bênção do pastor, segue o endereço do vídeo:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email