Anvisa vai à China inspecionar fábricas de vacinas contra Covid-19

Com diretor bolsonarista, a Anvisa irá para a China para verificar a fabricação de vacinas no país. A agência irá para as instalações das empresas Sinovac Life Sciences Co e da Wuxi Biologics Co - que mandam insumos e materiais utilizados em imunizantes produzidos no Brasil

(Foto: ANVISA | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta quinta-feira, 12, que funcionários farão missão de inspeção na China, com objetivo "de verificação do cumprimento das boas práticas de fabricação" nas instalações das empresas Sinovac Life Sciences Co e da Wuxi Biologics Co.

A primeira é a fabricante dos insumos utilizados pelo Instituto Butantan na produção da Coronavac - vacina contra a Covid-19 - e a segunda do material utilizado pela Fiocruz Bio-Manguinhos para a fabricação da vacina da AstraZeneca com a Universidade de Oxford.

"A certificação das boas práticas de fabricação é requisito indispensável para eventual registro das vacinas contra Covid-19 que utilizam insumos produzidos nessas instalações. Tendo em vista a exigência de cumprimento de quarentena para todos os viajantes que chegam à China, os inspetores da Anvisa partirão do Brasil na sexta-feira (13/11) com chegada prevista na China em 15 de novembro", afirmou a Anvisa, em nota.

Ataques de Bolsonaro à vacina

Na segunda-feira, a Anvisa suspendeu estudos com a vacina chinesa no Brasil, após a morte de um voluntário que não teve nada a ver com o imunizante. A agência autorizou, nesta quarta-feira, 11, a retomada dos ensaios no Brasil “após avaliar os novos dados apresentados".

O novo diretor do órgão, indicado por Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, 12, é o  tenente-coronel Jorge Luiz Kormann, um militar olavista, que ataca Organização Mundial da Saúde (OMS) e vacina chinesa nas redes. Ele também é defensor da hidroxicloroquina no tratamento ao novo coronavírus. Não existe comprovação científica da eficácia do medicamento contra o vírus.

Nesta quinta, em mais um ataque à vacina chinesa, Bolsonaro afirmou, em live, que um “efeito colateral” da CoronaVac pode ter causado o suicídio do voluntário que levou à suspensão temporária dos estudos sobre o imunizante.

Segundo o Instituto Médico Legal (IML), a morte foi causada por overdose de medicamentos. A análise detectou a presença de opióides, sedativos e álcool no sangue da vítima. De acordo com o IML, o voluntário morreu, portanto, de "intoxicação exógena de agentes químicos".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247