Governo Bolsonaro barra concursos e Funai tem o número de funcionários mais baixo desde 2008

Cerca de 2.300 de 3.700 cargos estão vagos. O governo de Jair Bolsonaro negou dois pedidos para realização de concursos feitos pela fundação

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação (Cimi))


247 - Apenas quatro em cada 10 cargos na Fundação Nacional do Índio (Funai) estão ocupados atualmente. De 3.700 postos, cerca de 1.400 têm servidores permanentes em atividade e 2.300 estão vagos. O governo de Jair Bolsonaro negou dois pedidos para realização de concursos feitos pela fundação (em 2019 e 2020) e tem mais dois em análise pelo Ministério da Economia. A informação foi publicada neste sábado (18) pelo jornal Folha de S.Paulo

Em 2008, a Funai tinha pouco mais de 1.000 servidores do quadro permanente atuando na Amazônia Legal, número que chegou a mais de 1.300 em 2013. Atualmente, são menos de 700. Com pouco dinheiro, a instituição tem recorrido ao empréstimo de servidores de outros órgãos. O gasto com essa modalidade aumentou de R$ 49 mil em 2018 para R$ 2 milhões previstos em 2022. 

As estatísticas foram publicadas em um contexto do assassinato do indigenista da Funai Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, no dia 5, na Amazônia. Nesta semana, Oseney da Costa confessou para a Polícia Federal que ele e seu irmão, Amarildo dos Santos, o "Pelado", cometeram o crime. Um terceiro suspeito se entregou à Polícia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O assassinato teve como consequências críticas a Bolsonaro por causa de suas declarações contrárias a interesses indígenas, antes de ele ser eleito, e também durante o seu mandato. Na última quarta-feira (15), Bolsonaro disse que o jornalista era "malvisto" na Amazônia. Na campanha eleitoral de 2018, ele afirmou que "não pode ter ambientalismo xiita no Brasil".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email