América latina

Luis Arce: esquerda avança na América Latina porque a direita não resolveu as necessidades do povo

Presidente da Bolívia alertou que a possibilidade de um novo golpe, porque "a direita nacional e internacional não gostou" do que seu governo fez ao "recuperar a democracia"

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Agência Regional de Notícias - O presidente da Bolívia, Luis Arce , assegurou neste sábado que após a vitória de Gustavo Petro na Colômbia, "o progresso dos governos de esquerda" na região é "inegável", circunstância que ele atribuiu ao fracasso da direita em seu esforços, "que resolveram as necessidades das pessoas.

"É sempre difícil quando um país está saindo de uma estrutura de quando a direita governava para estabelecer um governo progressista que tenta resolver problemas que a direita não conseguiu resolver. Conversamos no dia das eleições com o irmão (Gustavo) Petro Devemos continuar construindo a Grande Pátria. O processo de integração de nossos países abriu caminho para acelerar isso. É inegável o avanço dos governos de esquerda na região", disse Arce em entrevista à rádio argentina AM750 .

O presidente boliviano explicou por que, em sua opinião, a esquerda volta a liderar os governos de muitos países da região, como Chile, Peru e Colômbia. " Há muitos anos havia um grupo crescente de países que eram de esquerda, veio uma onda de direita que claramente não resolveu as necessidades do povo e é por isso que agora a esquerda está voltando , começando pela Bolívia, que era um dos primeiros países em que democraticamente mostramos uma decisão do povo de ir para um governo que entenda as maiorias, que busque a igualdade, que dê maiores oportunidades à população, aspectos que com o neoliberalismo, que continua sendo a única filosofia do partidos de direita, não foi satisfatório para os países da América Latina", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre o golpe de Estado contra o governo de Evo Morales em 2019, do qual foi ministro, Arce disse ter percebido “várias semanas antes” da tomada do poder que estava enfrentando um “golpe brando”  com uma estratégia “em que fizeram bloqueios e foram às casas dos ministros" para gritar e postar os endereços nas redes sociais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Sabíamos que a direita tinha um plano contra o governo e isso se consolidou na noite em que recebemos a notícia da OEA e o famoso relatório que é praticamente o estopim para o golpe de Estado no país", comentou. e definiu o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, como "um traidor".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Arce alertou que a possibilidade de um golpe em seu país "existe" porque "a direita nacional e internacional não gostou" do que seu governo fez ao "recuperar a democracia".  “Vimos visitas suspeitas de personagens de outros países, que se encontraram com pessoas da direita local que participaram e administraram o golpe de 2019; eles não estão descansando”, concluiu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email