Alvo de protestos, Temer se cala sobre Segovia

Vaiado ao chegar em Roraima e alvo de protestos no Brasil inteiro, Michel Temer, o governante mais impopular do mundo, rejeitado por mais de 90% da população, se irritou ao ser questionado sobre a permanência de Fernando Segovia na Polícia Federal; Segovia indicou que Temer seria blindado numa investigação sobre propinas nos portos e foi duramente criticado por delegados e procuradores; trapalhada pode acabar obrigando a PF a indiciar o “vampirão” do Carnaval

Vaiado ao chegar em Roraima e alvo de protestos no Brasil inteiro, Michel Temer, o governante mais impopular do mundo, rejeitado por mais de 90% da população, se irritou ao ser questionado sobre a permanência de Fernando Segovia na Polícia Federal; Segovia indicou que Temer seria blindado numa investigação sobre propinas nos portos e foi duramente criticado por delegados e procuradores; trapalhada pode acabar obrigando a PF a indiciar o “vampirão” do Carnaval
Vaiado ao chegar em Roraima e alvo de protestos no Brasil inteiro, Michel Temer, o governante mais impopular do mundo, rejeitado por mais de 90% da população, se irritou ao ser questionado sobre a permanência de Fernando Segovia na Polícia Federal; Segovia indicou que Temer seria blindado numa investigação sobre propinas nos portos e foi duramente criticado por delegados e procuradores; trapalhada pode acabar obrigando a PF a indiciar o “vampirão” do Carnaval (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em visita oficial a Roraima nesta segunda-feira, 12, Michel Temer não respondeu se o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, tem condições de seguir no cargo, após dizer que a tendência da PF é de pedir arquivamento do inquérito contra Temer por "falta de Evidências".

Os jornalistas presentes insistiram na pergunta, mas o emedebista apenas sorriu e acenou, sem responder se o diretor-geral continuará no posto. Nos bastidores, o Palácio do Planalto avalia que Segovia errou, criou uma animosidade desnecessária dentro da Polícia Federal e atrapalhou a condução do inquérito.

Temer viajou a Roraima para discutir com a governadora Suely Campos medidas para minimizar o impacto da entrada de milhares de refugiados da Venezuela.

Ele foi recebido com vaias e protesto. A manifestação foi organizada por uma frente de entidades sindicais, como CUT (Central Única dos Trabalhadores) e Sintauf (Sindicato dos Técnicos Administrativos da Universidade Federal de Roraima).

Além de cartazes com a inscrição “Fora Temer”, um carro de som foi estacionado próximo ao palácio do governo e veicula críticas às reformas trabalhista e previdenciária. “Nós não vivemos em uma democracia, mas em um período de golpe contra os trabalhadores. Cada dia é um direito a menos”, disse Antonia Pedrosa, secretária estadual de combate ao racismo da CUT e uma das organizadoras do protesto.

Além do presidente, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), também foi criticado na manifestação. No caso dele, contudo, foi colocada também uma faixa agradecendo pelas suas realizações como senador.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247