Comunidade judaica também exige a demissão do secretário nazista do governo Bolsonaro

A comunidade judaica brasileira, que em grande medida apoiou a eleição de Jair Bolsonaro, agora cobra a demissão imediata do secretário de Cultura, Roberto Alvim, que plagiou um discurso de Joseph Goebbels, propagandista nazista, ao propor uma nova arte para o Brasil; com a nota da Conib, o mais provável é que Bolsonaro, que tem em Benjamin Netanyahu um de seus poucos aliados na cena internacional, demita Alvim

Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu
Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu (Foto: Alan Santos/PR)

Nota da Conib - A Conib (Confederação Israelita do Brasil) considera inaceitável o uso de discurso nazista pelo secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim. Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida. Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas. O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso. Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente.

Assista ao vídeo em que Leonardo Attuch comenta a demissão de Roberto Alvim e apresenta um histórico do caso:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247