Cunha é alvo de operação sobre propina para baixar impostos em combustíveis da aviação

De acordo com o Judiciário do Distrito Federal, há indícios de que as empresas Gol e Latam teriam pago R$ 10 milhões a Eduardo Cunha (MDB-RJ) e R$ 4 milhões ao ex-vice-governador do DF Tadeu Filippelli para desmantelar um esquema de propina que tem como objetivo diminuir os impostos em combustíveis da aviação em Brasília

Ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ)
Ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ) (Foto: Antonio Cruz/ ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) cumpre, nesta quarta-feira (3), mandados de busca e apreensão para desmantelar um esquema de propina que tem como objetivo diminuir os impostos em combustíveis da aviação na capital federal. Entre os alvos estão o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-PR), preso no âmbito da Operação Lava Jato, e o ex-vice-governador do DF Tadeu Filippelli. Há indícios de que as empresas Gol e Latam teriam pago R$ 4 milhões a Filippelli e R$ 10 milhões ao emedebista. De acordo com a investigação, os crimes ocorreram entre 2012 e 2014.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, que cumpre prisão domiciliar por outros crimes, seria o intermediador entre as companhias aéreas e o governo do DF. O dinheiro foi recebido por uma empresa em nome de Claudia Cruz, mulher do ex-deputado, e, depois, repassado para o doleiro Lúcio Funaro, segundo apuração da Tv Globo. 

Em nota, a defesa de Cunha afirmou que os fatos "não guardam qualquer relação com Eduardo Cunha, são antigos, não passam de 2014" e disse confiar "nas instâncias superiores do Poder Judiciário para corrigir tamanha ilegalidade".

Livro-bomba

O ex-presidente da Câmara foi um dos articuladores do golpe contra Dilma Rousseff em 2016. O emedebista afirmou que "Temer foi sim o militante mais atuante e importante". "Sem essa sua atuação não teria havido o impeachment".

No livro, Cunha também relatou que as discussões sobre o golpe aconteceram na casa do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), no Rio de Janeiro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email