Dez ministros do STJ possuem parentes atuando na Corte

Nada menos que dez ministros possuem filhos ou cônjuges atuando como advogados em processos que tramitam no STJ; apesar do Código de Processo Civil vetar explicitamente a votação em processos de interesse de cônjuge e filhos, a legislação não coíbe a prática envolvendo advogados parentes de outros ministros do tribunal, o que abre possibilidade para tráfico de influência e troca de favores; "Tudo o que a sociedade reclama é que a condição de parente de julgador não implique privilégio de tratamento no tribunal em relação a outros advogados", diz o ministro corregedor da Justiça Federal, Og Fernandes

Nada menos que dez ministros possuem filhos ou cônjuges atuando como advogados em processos que tramitam no STJ; apesar do Código de Processo Civil vetar explicitamente a votação em processos de interesse de cônjuge e filhos, a legislação não coíbe a prática envolvendo advogados parentes de outros ministros do tribunal, o que abre possibilidade para tráfico de influência e troca de favores; "Tudo o que a sociedade reclama é que a condição de parente de julgador não implique privilégio de tratamento no tribunal em relação a outros advogados", diz o ministro corregedor da Justiça Federal, Og Fernandes
Nada menos que dez ministros possuem filhos ou cônjuges atuando como advogados em processos que tramitam no STJ; apesar do Código de Processo Civil vetar explicitamente a votação em processos de interesse de cônjuge e filhos, a legislação não coíbe a prática envolvendo advogados parentes de outros ministros do tribunal, o que abre possibilidade para tráfico de influência e troca de favores; "Tudo o que a sociedade reclama é que a condição de parente de julgador não implique privilégio de tratamento no tribunal em relação a outros advogados", diz o ministro corregedor da Justiça Federal, Og Fernandes (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Filhos e parentes dos 33 ministros do Superior Tribunal de Justiça, atuam em processos defendendo interesses de clientes que tramitam na corte. Nada menos que dez ministros possuem filhos ou cônjuges atuando como advogados em processos que tramitam no STJ.

Apesar do Código de Processo Civil vetar explicitamente a votação em processos de interesse de cônjuge e filhos, a legislação não coíbe a prática envolvendo advogados parentes de outros ministros do tribunal, o que abre possibilidade para tráfico de influência e troca de favores.

Atualmente, parentes dos ministros Francisco Falcão (presidente do STJ), Laurita Vaz (vice), Felix Fischer (ex-presidente), Humberto Martins, Sebastião Reis, Benedito Gonçalves, Paulo de Tarso Sanseverino, João Otávio de Noronha, Marco Buzzi e Marco Bellizze, atuam como advogados em processos em tramitação na Corte.

"Tudo o que a sociedade reclama é que a condição de parente de julgador não implique privilégio de tratamento no tribunal em relação a outros advogados", diz o ministro corregedor da Justiça Federal, Og Fernandes.

Três outros ex-corregedores - Falcão, Noronha e Martins - tinham parentes que atuaram em casos junto ao STJ. Todos alegaram estarem impedidos de votar em processos envolvendo a atuação de parentes.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247