Janot diz não ver razões para investigar Dilma

Procurador-geral da República disse hoje a parlamentares da oposição não ver motivos fáticos, suporte, razões para investigar a presidente no âmbito da Operação Lava Jato; relato foi feito pelo deputado do PPS Raul Jungmann (PE), que se encontrou com Rodrigo Janot acompanhado dos líderes do DEM, Mendonça Filho, e do PSDB, Carlos Sampaio; parecer de Janot enviado ao STF no início do mês pedia que Dilma Rousseff não fosse investigada com base no artigo 86 da Constituição, que afirma que "o presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício das funções"; para Mendonça Filho, a avaliação "preliminar" de Janot não significa que não possam aparecer "fatos novos que levem o Ministério Público a reavaliar a posição atual"

Procurador-geral da República disse hoje a parlamentares da oposição não ver motivos fáticos, suporte, razões para investigar a presidente no âmbito da Operação Lava Jato; relato foi feito pelo deputado do PPS Raul Jungmann (PE), que se encontrou com Rodrigo Janot acompanhado dos líderes do DEM, Mendonça Filho, e do PSDB, Carlos Sampaio; parecer de Janot enviado ao STF no início do mês pedia que Dilma Rousseff não fosse investigada com base no artigo 86 da Constituição, que afirma que "o presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício das funções"; para Mendonça Filho, a avaliação "preliminar" de Janot não significa que não possam aparecer "fatos novos que levem o Ministério Público a reavaliar a posição atual"
Procurador-geral da República disse hoje a parlamentares da oposição não ver motivos fáticos, suporte, razões para investigar a presidente no âmbito da Operação Lava Jato; relato foi feito pelo deputado do PPS Raul Jungmann (PE), que se encontrou com Rodrigo Janot acompanhado dos líderes do DEM, Mendonça Filho, e do PSDB, Carlos Sampaio; parecer de Janot enviado ao STF no início do mês pedia que Dilma Rousseff não fosse investigada com base no artigo 86 da Constituição, que afirma que "o presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício das funções"; para Mendonça Filho, a avaliação "preliminar" de Janot não significa que não possam aparecer "fatos novos que levem o Ministério Público a reavaliar a posição atual" (Foto: Gisele Federicce)

247 – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou aos parlamentares da oposição durante encontro nesta terça-feira 31 que não vê motivos fáticos para investigar a presidente Dilma Rousseff no âmbito da Operação Lava Jato. O relato foi feito pelo deputado Raul Jungmann, do PPS.

"O procurador nos disse que não via motivos fáticos, suporte, razões para investigar a presidente Dilma", disse. Também estiveram na reunião o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), e do PSDB, Carlos Sampaio (SP). Para Mendonça Filho, a avaliação "preliminar" de Janot não significa que não possam aparecer "fatos novos que levem o Ministério Público a reavaliar a posição atual".

"É uma avaliação preliminar dele e não quer dizer que no curso da Operação Lava Jato ou mesmo da CPI da Petrobras não possam surgir fatos novos que levem o Ministério Público a reavaliar a posição atual em relação ao mérito. Se o Supremo entender que é possível a investigação da presidente pela PGR a qualquer instante o Ministério Público pode pedir inquérito, se tiver elementos", afirmou.

Janot já havia enviado, no início do mês, um parecer ao Supremo Tribunal Federal se posicionando contra a investigação à presidente, com base no artigo 86 da Constituição, que afirma que "o presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício das funções".

A menção ao nome de Dilma na Lava Jato foi feita pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que afirmou em depoimento à Justiça ter recebido do ex-ministro Antonio Palocci um pedido de doação de R$ 2 milhões para a campanha da petista em 2010. Segundo ele, foi o doleiro Alberto Youssef quem intermediou o pedido. Tanto Palocci quanto Youssef, no entanto, negaram o ocorrido. O doleiro disse que Costa deve ter se confundido.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247