Lava Jato: advogados abrem fogo contra Moro

Defensor do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, Alexandre Lopes aponta irregularidades na Lava Jato e afirma que 'a pressão é tão grande sobre os tribunais que os ministros acabam violentando suas convicções pessoais': "Os tribunais estão amedrontados pelo clamor das ruas", afirma; ele contesta ‘prisões contra a Constituição’: "Para o juiz Sergio Moro, vigora o princípio contrário: o de presunção da culpa"; Nelio Machado também afirma que a prisão de seu cliente, o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, visa que ele se transforme em delator, como já ocorreu com outros 15 investigados da Operação Lava Jato: "Delações são provas precárias e inconfiáveis. O delator tem outros interesses do que dizer a verdade pelo instinto de autodefesa"

Defensor do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, Alexandre Lopes aponta irregularidades na Lava Jato e afirma que 'a pressão é tão grande sobre os tribunais que os ministros acabam violentando suas convicções pessoais': "Os tribunais estão amedrontados pelo clamor das ruas", afirma; ele contesta ‘prisões contra a Constituição’: "Para o juiz Sergio Moro, vigora o princípio contrário: o de presunção da culpa"; Nelio Machado também afirma que a prisão de seu cliente, o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, visa que ele se transforme em delator, como já ocorreu com outros 15 investigados da Operação Lava Jato: "Delações são provas precárias e inconfiáveis. O delator tem outros interesses do que dizer a verdade pelo instinto de autodefesa"
Defensor do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, Alexandre Lopes aponta irregularidades na Lava Jato e afirma que 'a pressão é tão grande sobre os tribunais que os ministros acabam violentando suas convicções pessoais': "Os tribunais estão amedrontados pelo clamor das ruas", afirma; ele contesta ‘prisões contra a Constituição’: "Para o juiz Sergio Moro, vigora o princípio contrário: o de presunção da culpa"; Nelio Machado também afirma que a prisão de seu cliente, o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, visa que ele se transforme em delator, como já ocorreu com outros 15 investigados da Operação Lava Jato: "Delações são provas precárias e inconfiáveis. O delator tem outros interesses do que dizer a verdade pelo instinto de autodefesa" (Foto: Roberta Namour)

247 – Advogados que defendem os investigados pela Operação Lava Jato apontam irregularidades na condução dos processos e afirmam que os Tribunais estão cedendo à pressão popular.

Em entrevista à ‘Folha de S. Paulo’, Alexandre Lopes, defensor do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, afirma que "a pressão é tão grande que os ministros acabam violentando suas convicções pessoais": "Os tribunais estão amedrontados pelo clamor das ruas", afirma.

No caso de seu cliente, ele contesta que a Justiça Federal de Curitiba não deveria julgar Duque porque as supostas ilegalidades de que é acusado ocorreram no Rio. Além disso, afirma que a prisão dele viola o princípio da presunção da inocência estabelecido pela Constituição: "Para o juiz Sergio Moro, vigora o princípio contrário: o de presunção da culpa".

Solto por decisão do STF, Duque foi preso novamente após movimentação de R$ 70 milhões que tinha na Suíça para Mônaco.

Outro advogado do caso, Nelio Machado afirma que a prisão de seu cliente, o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, visa que ele se transforme em delator, como já ocorreu com outros 15 investigados da Operação Lava Jato.

"Delações são provas precárias e inconfiáveis. O delator tem outros interesses do que dizer a verdade pelo instinto de autodefesa", afirma (leia mais).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247