Luis Miguel: pane no servidor do CNPq não justifica demonização do Currículo Lattes

De acordo com o analista político, muitos preferem falar mal do Currículo Lattes depois da pane no servidor do CNPq. "Não é possível imaginar hoje um sistema de pesquisa e pós-graduação sem um banco público de currículos", afirmou. "O que um banco público de currículos faz é dar transparência às atividades dos pesquisadores"

Professor Luis Felipe Miguel
Professor Luis Felipe Miguel
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook - Enquanto muitos lamentam a pane no servidor do CNPq e condenam a incúria que levou ao problema, fruto direto do assalto neoliberal ao Brasil, há aqueles que preferem falar mal do Currículo Lattes. O eterno arauto da "revolução brasileira", por exemplo, aplaudiu a indisponibilidade do sistema, que permitiria descobrir que "há vida intelectual para além do Currículo Lattes".

Como é fácil a vida do radical de rede social!

Primeiro: a pane não afeta só o Lattes. Coloca em risco, por exemplo, o pagamento das bolsas. Será que isto também é bom, por mostrar que há vida intelectual para além das contas do mês?

PUBLICIDADE

Segundo: não é possível imaginar hoje um sistema de pesquisa e pós-graduação sem um banco público de currículos. O Lattes tornou-se uma ferramenta essencial para a identificação de pesquisadores - basta perguntar a editores de revistas científicas em busca de pareceristas.

A visão romântica do intelectual encerrado em sua torre de marfim, sozinho com suas elucubrações, nada tem de revolucionária. É, na verdade, bem reacionária...

PUBLICIDADE

Terceiro: todo mundo reclama que o Lattes é chato de preencher e eu sou o primeiro a concordar. É possível aprimorá-lo e simplificá-lo. Jogá-lo no lixo certamente não é a melhor opção.

Quarto: o Currículo Lattes não é culpado pelo produtivismo acéfalo que alguns tentam - e por vezes conseguem - impor à universidade brasileira. Quem deseja um ambiente de pesquisa mais crítico e socialmente referenciado deve combater este tipo de produtivismo, mas ele não é derivação obrigatória do Lattes nem depende do Lattes para se impor.

PUBLICIDADE

Quinto: o que um banco público de currículos faz é dar transparência às atividades dos pesquisadores. Por que ser contra isso? Ser contra o produtivismo, isto é, contra a busca de indicadores de produção como fins em si mesmos, não significa que não temos que devolver à sociedade aquilo que ela nos dá - devolver na forma de conhecimento, de formação de quadros, de ferramentas para sua transformação.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email