Mais um crime: Temer antecipou corte de juros

Delação bombástica do empresário Joesley Batista, dono da JBS, não aponta apenas o crime de obstrução à Justiça cometido por Michel Temer; houve também vazamento de informação privilegiada ao empresário, de que o o Comitê de Política Monetária (Copom) cortaria a taxa de juros em 1 ponto porcentual; a informação foi dada na mesma conversa em que Temer teria avalizado a compra do silêncio de Eduardo Cunha, em março desse ano no Palácio do Jaburu; ele falava do corte de juros do dia 12 de abril, quando o Copom reduziu a taxa Selic para 11,25%; Henrique Meirelles, ministro da Fazenda de Temer, também foi presidente do Banco Original

Delação bombástica do empresário Joesley Batista, dono da JBS, não aponta apenas o crime de obstrução à Justiça cometido por Michel Temer; houve também vazamento de informação privilegiada ao empresário, de que o o Comitê de Política Monetária (Copom) cortaria a taxa de juros em 1 ponto porcentual; a informação foi dada na mesma conversa em que Temer teria avalizado a compra do silêncio de Eduardo Cunha, em março desse ano no Palácio do Jaburu; ele falava do corte de juros do dia 12 de abril, quando o Copom reduziu a taxa Selic para 11,25%; Henrique Meirelles, ministro da Fazenda de Temer, também foi presidente do Banco Original
Delação bombástica do empresário Joesley Batista, dono da JBS, não aponta apenas o crime de obstrução à Justiça cometido por Michel Temer; houve também vazamento de informação privilegiada ao empresário, de que o o Comitê de Política Monetária (Copom) cortaria a taxa de juros em 1 ponto porcentual; a informação foi dada na mesma conversa em que Temer teria avalizado a compra do silêncio de Eduardo Cunha, em março desse ano no Palácio do Jaburu; ele falava do corte de juros do dia 12 de abril, quando o Copom reduziu a taxa Selic para 11,25%; Henrique Meirelles, ministro da Fazenda de Temer, também foi presidente do Banco Original (Foto: Gisele Federicce)

247 - A delação bombástica do empresário Joesley Batista, dono da JBS, aponta mais um crime de Michel Temer, além de obstrução à Justiça.

Temer também antecipou ao empresário uma informação privilegiada: a de que o o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, cortaria a taxa de juros em 1 ponto porcentual, informa a Folha.

A informação foi dada por Temer a Joesley na mesma conversa em que o peemedebista teria avalizado a compra do silêncio de Eduardo Cunha, feita pelo empresário, em março desse ano no Palácio do Jaburu. A conversa foi gravada, segundo Joesley.

Temer falava do corte de juros do dia 12 de abril, quando o Copom reduziu a taxa Selic para 11,25%.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247