Mello Franco: a ironia e a desculpa dos procuradores sobre o luto de Lula

Jornalista Bernardo Mello Franco destaca os comportamento dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato que ironizaram a morte de parentes do ex-presidente Lula da Silva. Ele observa que somente a procuradora Jerusa Viecilli usou as redes sociais para se desculpar. "Os outros procuradores nada disseram. Deltan, que raramente passa um dia sem tuitar, está em abstinência desde domingo”, afirma

(Foto: Reprodução | ALESP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Bernardo Mello Franco destaca os comportamento dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato que ironizaram a morte de parente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele ressalta que os termos jocosos e irônicos se deram por ocasião dos falecimentos de Marisa Letícia, esposa de Lula,  do irmão Vavá e do neto Arthur, então com sete anos e que desde que vieram à tona, os procuradores – incluindo um dos coordenadores da operação, Deltan Dallagnol – optaram, em sua maioria, pelo silêncio. 

“Os diálogos foram revelados na terça-feira pelo UOL e pelo Intercept Brasil. Horas depois, Jerusa [procuradora Jerusa Viecilli] se manifestou no Twitter: “Errei. E minha consciência me leva a fazer o correto: pedir desculpas à pessoa diretamente afetada, o ex-presidente Lula”. Os outros procuradores nada disseram. Deltan, que raramente passa um dia sem tuitar, está em abstinência desde domingo”, diz Mello Franco. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email