Moro nega ter liberado verba para Dallagnol fazer vídeo publicitário

“Cabe esclarecer que, como juiz, jamais liberou qualquer verba ao Ministério Público para custear a campanha publicitária sobre as Dez Medidas Contra a Corrupção”, disse o ministro Sérgio Moro (Justiça)

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, negou nesta segunda-feira (16) que tenha liberado dinheiro da 13ª Vara Federal de Curitiba para que o procurador Deltan Dallagnol produzisse um comercial de TV. Na peça seria mostrado um clima de terror e pânico para conseguir a adesão popular na proposta das 10 Medidas Contra a Corrupção.

“Cabe esclarecer que, como juiz, jamais liberou qualquer verba ao Ministério Público para custear a campanha publicitária sobre as Dez Medidas Contra a Corrupção”, disse Moro, na nota. “Nunca houve qualquer tipo de direcionamento de recursos da 13ª Vara Federal para campanha publicitária ou qualquer ato relacionado às Dez Medidas Contra a Corrupção”.

Em um chat de 16 de janeiro de 2016, Dallagnol enviou uma mensagem para Moro pedindo para que o então juiz liberasse recursos financeiros para uma campanha das 10 medidas contra a corrupção que seria veiculada na Globo.

“Se for so uns 38 mil achi [quis escrever “acho”] que é possível. Deixe ver na terça e te respondo”, respondeu Moro, ao pedido feito por Dallagnol, segundo os diálogos divulgados.

As informações sobre o comercial foram reveladas nesta segunda-feira (15) pelo jornalista Reinaldo Azevedo com base nas mensagens recebidas pelo site The Intercept.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247