MP de Bolsonaro "agride a democracia e a autonomia das universidades", rechaça Andifes

"O atual governo não preza pela vontade majoritária das comunidades universitárias. Isso agride a democracia, a autonomia das universidades, que devem ser capazes de exercitar sua sabedoria, sua reflexão sobre seu destino e sobre quem melhor as representas”, afirmou João Carlos Salles, presidente da Andifes

(Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes), João Carlos Salles, criticou a edição da Medida Provisória  914/2019, que altera o processo de escolha dos reitores das universidades federais brasileiras. A medida eliminou a possibilidade de consulta paritária à comunidade acadêmica para a escolha do gestor da instituição.

"O atual governo não preza pela vontade majoritária das comunidades universitárias. Isso agride a democracia, a autonomia das universidades, que devem ser capazes de exercitar sua sabedoria, sua reflexão sobre seu destino e sobre quem melhor as representas”, afirmou Salles em entrevista ao Brasil de Fato.

O presidente da Andifes lamenta a falta de diálogo e a manobra utilizada pelo governo. “A comunidade não foi consultada, as universidades não foram consultadas, a Andifes não foi consultada. É muito estranho usar o expediente de uma Medida Provisória, que é um recurso justificado em situações de emergência e de relevância específica, temporária, que exige um posicionamento. Não é o caso”, repudia.

Segundo ele, a regra que determina que o reitor aprovado pelo presidente defina a escolha de seu vice e dos diretores gerais dos campi e das unidades é outro retrocesso.

“A consulta se torna impositiva, os conselhos perdem o papel de mediação da vontade coletiva e, além disso, pessoas eventualmente nomeadas passam a contar com um dispositivo pouco democrático. O reitor pode escolher, arbitrariamente, sem ouvir a comunidade. Isso é indesejável. Diminui a qualidade democrática, reflexiva, de nossas gestões”, avalia Salles, que também é reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Confira a reportagem completa no Brasil de Fato.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247