Okamotto: “Querem que a gente morra de fome, de sede, de frio”

Segundo o diretor do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o ex-presidente Lula não tem condições de pagar água, luz, advogados, convênio médico e todas as despesas básicas de sua subsistência estão comprometidas; as contas do Instituto Lula também bloqueadas aumentam ainda mais o drama: o instituto só tem condições de operar por mais dois meses, pois foi alvo de mais um bloqueio

Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto
Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Segundo o diretor do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o ex-presidente Lula não tem condições de pagar água, luz, advogados, convênio médico e todas as despesas básicas de sua subsistência estão comprometidas. As contas do Instituto Lula também bloqueadas aumentam ainda mais o drama: o instituto só tem condições de operar por mais dois meses.

O bloqueio das contas do Instituto Lula, decretado na terça (10), impede que o próprio ex-presidente pague despesas básicas já que as contas pessoais dele já tinham também sido interditadas.

“O Lula agora não tem mais como pagar água, luz, telefone de seu apartamento nem convênio médico, advogados, nada”, diz Paulo Okamotto, presidente do Instituto, que também teve as contas bloqueadas. “Querem que a gente morra de fome, de sede, sem defesa, de frio.”

Leia mais aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247