Petrobras manteve 73 trabalhadores em cárcere privado durante greve, segundo MP

Segundo o Ministério Público do Trabalho de São Paulo, durante greve dos petroleiros, 73 trabalhadores não foram liberados e tiveram de trabalhar oito a onze dias consecutivos

Petrobras
Petrobras (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público do Trabalho de São Paulo (MPT-SP) denuncia a Petrobras de manter em cárcere privado 73 trabalhadores da empresa e pede à estatal indenização de R$ 100 milhões e reparações individuais de R$ 100 mil aos funcionários, segundo coluna de Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo.

A ação teria ocorrido entre os dias 7 e 17 de fevereiro deste ano, quando os trabalhadores da refinaria de Presidente Bernardes, em Cubatão (SP), entraram em greve. De acordo com o MPT, a estatal não liberou esses funcionários alegando que eles só poderiam deixar os seus postos se fossem rendidos por outros. 

Segundo a procuradoria, os empregados tiveram de trabalhar oito e até onze dias consecutivos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247