PF pede quebra de sigilo bancário de ministro e presidente do TCU

Em uma investigação sobre tráfico de influência no Tribunal de Contas da União, envolvendo o advogado Tiago Cedraz, filho do presidente da corte, Aroldo Cedraz, a Polícia Federal pediu ao STF a quebra de sigilo bancário do ministro e de outro integrante do tribunal, Raimundo Carreiro; em depoimento na Lava Jato, o empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, acusou Tiago de receber R$ 1 milhão - em parcelas de R$ 50 mil - para vender informações privilegiadas do tribunal fornecidas pelo pai, e ainda de influenciar em favor da empresa no tribunal em processo sobre a usina Angra 3; dinheiro seria repassado a Carreiro, relator do caso; o TCU teve papel decisivo no golpe de 2016, ao questionar as chamadas 'pedaladas fiscais'

Em uma investigação sobre tráfico de influência no Tribunal de Contas da União, envolvendo o advogado Tiago Cedraz, filho do presidente da corte, Aroldo Cedraz, a Polícia Federal pediu ao STF a quebra de sigilo bancário do ministro e de outro integrante do tribunal, Raimundo Carreiro; em depoimento na Lava Jato, o empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, acusou Tiago de receber R$ 1 milhão - em parcelas de R$ 50 mil - para vender informações privilegiadas do tribunal fornecidas pelo pai, e ainda de influenciar em favor da empresa no tribunal em processo sobre a usina Angra 3; dinheiro seria repassado a Carreiro, relator do caso; o TCU teve papel decisivo no golpe de 2016, ao questionar as chamadas 'pedaladas fiscais'
Em uma investigação sobre tráfico de influência no Tribunal de Contas da União, envolvendo o advogado Tiago Cedraz, filho do presidente da corte, Aroldo Cedraz, a Polícia Federal pediu ao STF a quebra de sigilo bancário do ministro e de outro integrante do tribunal, Raimundo Carreiro; em depoimento na Lava Jato, o empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, acusou Tiago de receber R$ 1 milhão - em parcelas de R$ 50 mil - para vender informações privilegiadas do tribunal fornecidas pelo pai, e ainda de influenciar em favor da empresa no tribunal em processo sobre a usina Angra 3; dinheiro seria repassado a Carreiro, relator do caso; o TCU teve papel decisivo no golpe de 2016, ao questionar as chamadas 'pedaladas fiscais' (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os investigadores da Polícia Federal na Operação Lava Jato pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) a quebra de sigilo bancário do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz, e do ministro Raimundo Carneiro, além do advogado Tiago Cedraz, filho do presidente da corte.

A investigação mira o crime de tráfico de influência envolvendo Tiago Cedraz, que foi acusado, em delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, de receber R$ 50 mil mensais para vender informações privilegiadas do tribunal fornecidas pelo pai, e ainda de influenciar em favor da empresa no tribunal em processo sobre a usina Angra 3.

Para trabalhar a favor da empreiteira, ele teria recebido R$ 1 milhão, que segundo o delator, foi repassado a Carreiro, relator do caso. Segundo reportagem publicada pela revista Época, a PF mapeou as relações de Tiago Cedraz, fez buscas e descobriu e-mails e ligações suspeitas, o que resultou no pedido de quebra de sigilos do advogado e dos ministros.

O ministro Aroldo Cedraz negou, à revista, que seja investigado no caso. O ministro Raimundo Carreiro disse que ter oferecido antecipadamente seu sigilo bancário, fiscal e telefônico. O advogado Tiago Cedraz nega ligação com a construtora.

Hoje na mira da Lava Jato, o Tribunal de Contas da União teve papel decisivo no golpe parlamentar de 2016 contra Dilma Rousseff, ao questionar as chamadas 'pedaladas fiscais'.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247