PF quer acesso a sigilo de "faz tudo" de Lula

O empresário Marcos Valério, que prestou novamente depoimento nessa terça-feira, disse em setembro ter passado dinheiro do chamado mensalão para o ex-presidente arcar com "gastos pessoais" no início de 2003, por uma conta da empresa de segurança de Freud Godoy

PF quer acesso a sigilo de "faz tudo" de Lula
PF quer acesso a sigilo de "faz tudo" de Lula
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Após convocar novamente o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza para prestar depoimento, a Polícia Federal vai pedir a quebra do sigilo bancário de Freud Godoy, segurança e assessor pessoal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, à Justiça Federal de Minas Gerais.

Delegados investigam o caminho percorrido pelos recursos distribuídos no esquema do chamado mensalão. Em setembro do ano passado, Valério disse à Procuradoria-Geral da República ter passado dinheiro para Lula arcar com "gastos pessoais" no início de 2003, quando o petista já havia assumido o Planalto. Os recursos teriam sido depositados na conta da empresa de segurança Caso, de Godoy. O ex-presidente nega.

Os delegados reclamam que terão de refazer o trabalho dos membros do Ministério Público, numa clara indicação das tensões que vem causando a discussão sobre a PEC 37, que retira os poderes de investigação do MP. A PF alega que os procuradores não souberam fazer as perguntas necessárias para esclarecer os fatos denunciados pelo operador do mensalão.

Ontem, Valério prestou novo depoimento à PF em Brasília. A instituição também deve ouvir o auxiliar de Lula nos próximos 10 dias, em São Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247