Polícia chilena reprime protesto contra visita de Bolsonaro

Manifestação ocorrida na noite desta sexta-feira (22) no centro de Santiago, com cerca de mil pessoas, contra a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Chile, foi reprimida pela polícia chilena; a exemplo do que acontece no Brasil, o protesto seguia pacífico até que os policiais, sem aviso, começaram a atirar bombas e disparar jatos d'água

Polícia chilena reprime protesto contra visita de Bolsonaro
Polícia chilena reprime protesto contra visita de Bolsonaro (Foto: REUTERS/Pablo Sanhueza)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Segundo o Estado de S. Paulo, manifestação ocorrida na noite desta sexta-feira (22) no centro de Santiago, com cerca de mil pessoas, contra a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Chile, foi reprimida pela polícia chilena. A exemplo do que acontece no Brasil, o protesto seguia pacífico até que os policiais, sem aviso, começaram a atirar bombas e disparar jatos d'água.

Os manifestantes, a maioria militantes dos movimentos feminista, LGBT, sindicatos e partidos de esquerda, reagiram jogando pedras, mas aparentemente ninguém ficou ferido. "Essa brutalidade da polícia é mais um sinal da onda opressiva de extrema direita que está levando toda a América do Sul", disse a estudante Romina Pérez, que usava o lenço verde característico das manifestações feministas pelo direito ao aborto na Argentina.

Além de Bolsonaro, que nos cartazes e montagens geralmente era associado a símbolos nazistas, também foram alvos dos protestos os presidentes dos EUA, Donald Trump, da Argentina, Mauricio Macri, e do Chile, Sebástian Piñera.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247