Popularidade não é o mais importante, diz Padilha sobre 13% de Temer

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, minimizou nesta sexta (1°) o resultado da pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo do presidente interino, Michel Temer, que mostra que apenas 13% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom; “Temos 47 dias de governo e já conseguimos 13%. Nessa velocidade, nos 90 [dias] devemos estar passando de 30%”, disse o ministro; “Se estamos no rumo certo, a popularidade menor ou maior, neste momento, não é o mais importante. O mais importante é que a gente saiba o rumo que a gente quer ir. Temos a equipe econômica dos sonhos de qualquer governo e vamos conduzir a nossa politica econômica no rumo que estamos”, afirmou

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, minimizou nesta sexta (1°) o resultado da pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo do presidente interino, Michel Temer, que mostra que apenas 13% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom; “Temos 47 dias de governo e já conseguimos 13%. Nessa velocidade, nos 90 [dias] devemos estar passando de 30%”, disse o ministro; “Se estamos no rumo certo, a popularidade menor ou maior, neste momento, não é o mais importante. O mais importante é que a gente saiba o rumo que a gente quer ir. Temos a equipe econômica dos sonhos de qualquer governo e vamos conduzir a nossa politica econômica no rumo que estamos”, afirmou
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, minimizou nesta sexta (1°) o resultado da pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo do presidente interino, Michel Temer, que mostra que apenas 13% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom; “Temos 47 dias de governo e já conseguimos 13%. Nessa velocidade, nos 90 [dias] devemos estar passando de 30%”, disse o ministro; “Se estamos no rumo certo, a popularidade menor ou maior, neste momento, não é o mais importante. O mais importante é que a gente saiba o rumo que a gente quer ir. Temos a equipe econômica dos sonhos de qualquer governo e vamos conduzir a nossa politica econômica no rumo que estamos”, afirmou (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, minimizou hoje (1°) o resultado da pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo do presidente interino, Michel Temer, que mostra que apenas 13% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom. Para Padilha, neste momento, a popularidade “não é o mais importante”.

“Temos 47 dias de governo e já conseguimos 13%. Nessa velocidade, nos 90 [dias] devemos estar passando de 30%”, disse o ministro. “Se estamos no rumo certo, a popularidade menor ou maior, neste momento, não é o mais importante. O mais importante é que a gente saiba o rumo que a gente quer ir. Temos a equipe econômica dos sonhos de qualquer governo e vamos conduzir a nossa politica econômica no rumo que estamos”, acrescentou Padilha.

De acordo com o levantamento CNI/Ibope, o governo interino é considerado ruim ou péssimo por 39% da população e 36% o consideram regular.

Dívida dos estados

Ao comentar medidas econômicas do governo Temer, Padilha destacou o acordo para o alongamento da dívida dos estados com a União, que estabeleceu um teto de gastos que “não há registro na história do Brasil”.

“Conseguimos fazer um ajuste da União e de todos os estados. Por dez anos não vai haver crescimento da despesa além da inflação. Isso não tem registro na história do Brasil. Nesses dez anos vamos ter a retomada do desenvolvimento, de forma efetiva, acentuada. Teremos superávits que vão nos dar, ao Estado, condições de prestar um serviço melhor à população”, analisou.

Padilha negou que a decisão de prorrogar o prazo para que os trabalhadores façam o saque do abono salarial do PIS/Pasep referente ao ano-base de 2014, anunciada hoje, tenha relação com a baixa popularidade do governo.

“Se historicamente tem havido essa exceção, temos os trabalhadores que querem usufruir esse direito, postergar não tem a ver com popularidade, com eleição, tem a ver com governar para todos. As pessoas que têm direito, têm que ter seu direito reconhecido pelo governo.”

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247