Presidente do STF descarta risco de intervenção militar

Presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, descartou a possibilidade de uma intervenção militar, caso o judiciário não consiga lidar com as seguidas denúncias de corrupção no Executivo como sugerido pelo general Antonio Hamilton Mourão, em setembro; segundo ela, apesar da declaração do militar ser considerada "grave", o Judiciário brasileiro "cumprindo seu papel" e que "não há justiça sem democracia, e o brasileiro não aguenta mais ser injustiçado"

Brasília - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, se reúne com os presidentes dos 27 tribunais de Justiça do país, no STF (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, se reúne com os presidentes dos 27 tribunais de Justiça do país, no STF (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, descartou a possibilidade de uma intervenção militar, caso o judiciário não consiga lidar com as seguidas denúncias de corrupção no Executivo como sugerido pelo general Antonio Hamilton Mourão, em setembro.

Segundo ela, apesar da declaração ser considerada "grave, o Judiciário brasileiro "cumprindo seu papel" e que "não há justiça sem democracia, e o brasileiro não aguenta mais ser injustiçado".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247