PSOL acusa Bolsonaro de usar a sigla para desviar foco das denúncias do clã

O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, rechaçou o último pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, que qualifica a facada que sofreu em 6 de setembro de "ato terrorista" e praticamente acusa o PSOL de envolvimento com o caso; segundo ratifica Medeiros, a postura do capitão reformado "tem com o intuito desviar a atenção para as denúncias envolvendo familiares, correligionários e seus ministros"

PSOL acusa Bolsonaro de usar a sigla para desviar foco das denúncias do clã
PSOL acusa Bolsonaro de usar a sigla para desviar foco das denúncias do clã

247 - O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, por meio de nota, rechaçou o último pronunciamento do presidente, Jair Bolsonaro, que qualifica a facada que sofreu em 6 de setembro de "ato terrorista" e praticamente acusa o PSOL de envolvimento com o caso. Segundo ratifica a nota, a postura do capitão reformado "tem com o intuito desviar a atenção para as denúncias envolvendo familiares, correligionários e seus ministros". 

Leia a íntegra da nota: 

-O PSOL repudiou o atentado contra o então candidato Jair Bolsonaro à época e denunciou a escalada de violência no processo eleitoral.
-O partido defende que o autor confesso do atentado responda por seus atos, independente de ter sido filiado ao PSOL.
-Lamentamos que o Presidente Jair Bolsonaro insista em mencionar o PSOL a cada manifestação sobre o ocorrido, já que não há qualquer relação entre nosso partido e o atentado.
-Para nós trata-se de tentativa deliberada de associar o PSOL a um crime pelo qual o partido não tem qualquer responsabilidade com o intuito de desviar a atenção para as denúncias envolvendo familiares, correligionários e ministros de Bolsonaro. Essa não é atitude adequada para um Presidente da República.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247