PT lança campanha contra a Reforma da Previdência

Presidido pela deputada Gleisi Hoffmann (PR), o PT lançou a campanha contra a Reforma da Previdência proposta por Jair Bolsonaro (PSL), para alertar o povo sobre os riscos da PEC, que pode levar a uma "crise humanitária", como apontou o ex-ministro da Previdência Social Carlos Eduardo Gabas; a Executiva também aprovou em resolução o posicionamento do partido e orienta suas bancadas na Câmara e Senado para que derrotem todos os projetos sobre o tema

PT lança campanha contra a Reforma da Previdência
PT lança campanha contra a Reforma da Previdência
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após reunião do Diretório Nacional, o Partido dos Trabalhadores lançou, nesta sexta-feira (22), a campanha contra a Reforma da Previdência proposta por Jair Bolsonaro (PSL), para alertar o povo sobre os riscos da PEC, que pode levar a uma "crise humanitária", como apontou o ex-ministro da Previdência Social Carlos Eduardo Gabas. No encontro, a Executiva também aprovou em resolução o posicionamento do partido e orienta suas bancadas na Câmara e Senado para que derrotem todos os projetos sobre o tema.

A presidente nacional do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), criticou a proposta de Jair de reduzir o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Segundo o projeto, os idosos que comprovarem estar em situação de "miserabilidade" receberão um benefício de apenas R$ 400, valor abaixo do salário mínimo vigente no país. Caso o idoso consiga se aposentar aos 65 anos, o benefício deixará de ser pago e se ela continuar dependente da assistência social, o valor poderá subir apenas quando a pessoa completar 70 anos. 

"R$ 400 a R$ 600, quem vive com esse recurso, com o salário pequeno que as pessoas ganham, com o desemprego que há neste País? Só um governo que não discutiu, que não teve coragem de, na campanha, fazer o debate", criticou.

De acordo com o líder do PT na Câmara, deputado federal Paulo Pimenta (RS), o chefe do Planalto traiu o povo brasileiro com uma reforma perversa. O parlamentar destacou que Bolsonaro quer suprimir frontalmente os direitos de professoras e das mulheres, as quais serão as mais penalizadas, com a ampliação do tempo de contribuição para se aposentar. O parlamentar, inclusive, desafio a base do desgoverno de Jair a apontar no projeto qualquer benefício aos pobres, aos trabalhadores e à população mais vulnerável do País. "É um projeto covarde, que protege poderosos e privilegiados e ataca os pobres", denunciou.

O líder do PT no Senado, o senador Humberto Costa (PE), questionou o alegado problema do déficit da Previdência e ainda apontou que a PEC de Bolsonaro destrói direitos básicos e cria uma legião de miseráveis sentenciada à pena de morte.

"Não é uma proposta de reforma é de demolição dos direitos dos trabalhadores, muitos deles adquiridos. Bolsonaro quer cortar na carne do povo e deixar de fora quem sempre teve privilégios. Em vez de prejudicar os que mais precisam, ele deveria colocar na conta do ajuste as empresas sonegadoras do INSS, por exemplo, que juntas devem mais de R$ 426 bilhões, valor muito superior ao alegado rombo da Previdência Social", destacou o senador.

*Com informações da Agência de Notícias do PT 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247