Safatle: “o pacto de normalidade política acabou”

O filósofo Vladimir Safatle avalia que o País vive uma "fase cada vez mais explícita de guerra civil", após o assassinato da agora ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol) e dos tiros contra ônibus da caravana do ex-presidente Lula; "O pacto de normalidade política acabou" afirma Safatle à Carta Capital; segundo ele, não se pode descartar uma guinada  mais autoritária, clássica, por meio de um golpe militar; "O campo progressista precisa estar preparado"

O filósofo Vladimir Safatle avalia que o País vive uma "fase cada vez mais explícita de guerra civil", após o assassinato da agora ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol) e dos tiros contra ônibus da caravana do ex-presidente Lula; "O pacto de normalidade política acabou" afirma Safatle à Carta Capital; segundo ele, não se pode descartar uma guinada  mais autoritária, clássica, por meio de um golpe militar; "O campo progressista precisa estar preparado"
O filósofo Vladimir Safatle avalia que o País vive uma "fase cada vez mais explícita de guerra civil", após o assassinato da agora ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol) e dos tiros contra ônibus da caravana do ex-presidente Lula; "O pacto de normalidade política acabou" afirma Safatle à Carta Capital; segundo ele, não se pode descartar uma guinada  mais autoritária, clássica, por meio de um golpe militar; "O campo progressista precisa estar preparado" (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O filósofo Vladimir Safatle avalia que o País vive uma "fase cada vez mais explícita de guerra civil", após o assassinato da agora ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol) e dos tiros contra ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O pacto de normalidade política acabou" afirma Safatle à Carta Capital. Segundo ele, não se pode descartar uma guinada  mais autoritária, clássica, por meio de um golpe militar. "O campo progressista precisa estar preparado".

O estudioso reforça que "o assassinato da Marielle Franco até agora não mereceu nenhum tipo de resposta da parte das autoridades". "Não há nenhuma informação, mesmo depois da enorme comoção causada pela morte. Espanta ainda que Geraldo Alckmin, governador do maior estado do País, e outros ocupantes de mandatos naturalizem o atentado contra a caravana do Lula. Praticamente Alckmin disse que o ex-presidente fez por merecer, ignorando completamente a diferença entre a violência simbólica da política e a violência real do extermínio".

De acordo com o filósofo, "não há solução no curto prazo". "A sociedade brasileira caminha para os extremos da radicalização política. E não vejo outra saída. A questão é que até o momento só um dos extremos se organizou, o campo reacionário. O extremo progressista continua preso a uma certa crença de que existe um pacto de normalidade na vida política nacional. Esse pacto acabou. A política nacional não está em uma situação normal. É necessário levar isso em conta e estar preparado".

Leia a íntegra da entrevista

 

 

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247