Senado aprova Lei Paulo Gustavo e projeto vai à sanção

Com o placar de 74 votos a zero e uma abstenção, a proposta de autoria do senador Paulo Rocha (PT-PA) foi aprovado e segue para sanção presidencial

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução | Waldemir Barreto/Agência Senado)


247 - O Senado aprovou a chamada ‘Lei Paulo Gustavo‘, neste terça-feira (15), que prevê um repasse de 3,8 bilhões de reais ao setor cultural, um dos mais impactados pelas restrições adotadas na pandemia.

Depois de sofrer modificações na Câmara, no mês passado, o projeto voltou para o Senado. Com o placar de 74 votos a zero e uma abstenção, a proposta de autoria do senador Paulo Rocha (PT-PA) foi aprovado e segue para sanção presidencial.

A lei prevê que os 3,8 bilhões de reais repassados a estados e municípios sejam utilizados da seguinte maneira: 2,79 bilhões destinados para ações no setor audiovisual; e 1,06 bilhão para ações emergenciais no setor cultural por meio de editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor ou outras formas de seleção pública simplificadas. Ainda de acordo com o texto,  o repasse dos recursos pela União deverá ocorrer em no máximo 90 dias após a publicação da lei.

A base governista tentou modificar o texto propondo que a definição de diretrizes do programa ficasse a cargo da Secretaria Especial da Cultura – o que, na prática, ampliaria o poder da gestão federal sobre os repasses. A mudança foi rejeitada pelos senadores.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:


 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email