Verba publicitária sobre reforma da Previdência irrigou sites de fake news, infantis e até de jogo do bicho

Secom anunciou em meio de 2019 que gastaria R$ 37 milhões em inserções publicitárias para promover a reforma da Previdência. Propagandas foram veiculadas em sites de fake news, de jogos de azar, em russo, além de canais do YouTube ligados ao próprio Bolsonaro

Mercado desconfia que Bolsonaro vai rodar e quer rifar logo a Previdência
Mercado desconfia que Bolsonaro vai rodar e quer rifar logo a Previdência (Foto: Adriano Machado - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo Jair Bolsonaro veiculou propagandas sobre a reforma da Previdência em sites  de fake news, de jogos de azar – incluindo jogo do bicho, que é ilegal no Brasil -, em russo, sites e canais infantis, além do canal do YouTube ligado ao próprio Bolsonaro. Em maio do ano passado, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência (Secom) anunciou que gastaria R$ 37 milhões em inserções publicitárias para promover a reforma da Previdência. 

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, os dados sobre as plataformas utilizadas para promover a reforma previdenciária foram obtidas por meio de uma determinação da Controladoria-Geral da União (CGU),  mediante uma solicitação por meio do Serviço de Informação ao Cidadão. Segundo os dados disponibilizados, um dos canais que mais receberam anúncios foi o Get Movies, destinado ao público infantil e com o conteúdo totalmente em russo.  Ao todo, dos 20 canais que mais veicularam a campanha sobre a reforma da Previdência, 14 são destinados ao público infantil ou juvenil, como o Kids Fun, Turma da Mônica e Planeta Gêmeas. 

Ainda de acordo com a reportagem, outro site que recebeu verba da Secom para veicular as peças publicitárias foi o resultadosdobichotemporeal.com.br, que mostra os resultados jogo ilegal. Sites conhecidos por propagar fake news, como o Sempre Questione, também foram beneficiados com verbas publicitárias do governo federal. 

O canal do YouTube Terça Livre, do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, também teria recebido verbas oficiais para divulgar a campanha. Em depoimento à CPI das Fake em  novembro do ano passado, porém, Santos afirmou “não receber nenhum centavo do governo".

Em nota, a Secom informou que "a plataforma de anúncios da Google atua automaticamente a partir de parâmetros para a entrega do conteúdo publicitário aos públicos de interesse. As definições são abrangentes e não determinam com exatidão o local na internet em que o anúncio será veiculado. Porém, neste caso específico, buscou-se perfis reconhecidos pela ferramenta do Google que tenham afinidade para o tema “Previdência” e demais correlações de acordo com sintaxe para o tema da campanha".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247