“Se não houver um clamor popular pelas vacinas, continuarão a morrer mais de mil pessoas por dia”, diz epidemiologista

Se a sociedade não se mobilizar e exigir vacinação do governo Bolsonaro, a pandemia de Covid-19 continuará a matar mais de mil pessoas ao dia sem prazo para diminuir, afirma o epidemiologista Fernando Barros

Epidemiologista Fernando Barros
Epidemiologista Fernando Barros (Foto: Divulgação/ufpel | Gabriela Trajano (editado))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O epidemiologista Fernando Barros, da Universidade Federal de Pelotas e da Universidade Católica de Pelotas, lançou uma advertência à sociedade brasileira: "Se não houver um clamor popular, uma grande pressão para a compra de vacinas, vão continuar morrendo mais de mil pessoas por dia". Ele traça um cenário de mais dificuldade à frente: "Com a questão das variantes do vírus, a situação pode se agravar e será ainda mais difícil abafar a infecção. Estou vendo muito pouco movimento para a gravidade da situação.”

O Brasil registrou 1.204 mortes pela Covid-19 e 49.396 casos da doença, nesta sexta-feira (12). Com isso, o país chega a 237.601 óbitos e a 9.765.694 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Para Barros, em entrevista ao UOL, “o único jeito de sairmos dessa situação dramática é comprar mais vacina. Precisamos de uma quantidade suficiente para deslanchar o programa de imunização."

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha, é possível até mesmo que a campanha brasileira tenha de ser interrompida em breve. "Na situação em que estamos, provavelmente vamos ficar um tempo sem vacinar ninguém, uns vinte dias, se não recebermos outras vacinas, até a Fiocruz e o Butantan começarem a produzir em larga escala", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email