Vacina para Covid-19 pode estar pronta para emergências em alguns meses, diz cientista chinês

O especialista Zhong Nanshan afirmou que a imunidade geral da população sem a correspondente intervenção médica não é possível sem enfrentar um grande número de mortes. Ele informa que a vacina pode estar pronta para emergências em alguns meses

O epidemiologista chinês Zhong Nanshan
O epidemiologista chinês Zhong Nanshan (Foto: Thomas Suen/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O epidemiologista chinês Zhong Nanshan, principal consultor médico do governo chinês na luta contra o novo coronavírus, garantiu que a vacina para a Covid-19 poderia estar pronta para  casos de emergências dentro de alguns meses. 

Zhong declarou também que a imunidade geral da população sem a correspondente intervenção médica não é possível sem enfrentar um grande número de mortes. Portanto, ele insistiu na necessidade de uma vacina como o único meio viável de alcançar a proteção de todas as pessoas.

"A imunidade natural requer que entre 60% e 70% da população de um país seja infectada com o novo coronavírus, o que poderia causar um número de mortes de 30 a 40 milhões de pessoas. A solução continua sendo a vacinação em massa, disse ele em um evento por videoconferência. 

Segundo as estimativas de Zhong, a inoculação de emergência estaria disponível no outono (hemisfério norte) ou no final deste ano. No entanto, ele esclareceu que a administração geral ainda depende de seu desenvolvimento e calculou que "a vacinação em larga escala levará um ou dois anos".

No mês passado, o chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, Gao Fu, indicou que várias diretrizes estavam sendo preparadas para determinar quem seria elegível para receber a vacina, quando e quais condições representariam um caso de emergência, informa Russia Today.
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247