Pedro Hallal: 4 de cada 5 mortes não teriam acontecido se o Brasil estivesse na média mundial de combate à pandemia

"Quatro, de cada cinco mortes no Brasil estão em excesso, considerando o tamanho da nossa população", afirmou à CPI da Covid o epidemiologista Pedro Hallal, que também criticou Jair Bolsonaro. "A postura dele é a pior que nós, cientistas, observamos durante esta pandemia", acrescentou

Epidemiologista Pedro Hallal
Epidemiologista Pedro Hallal (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Em depoimento à CPI da Covid nesta quinta-feira (24), o epidemiologista Pedro Hallal afirmou que quatro de cada cinco mortes estão em "excesso" e poderiam ter sido evitadas caso o Brasil tivesse seguido as melhores práticas internacionais para o enfrentamento à pandemia do coronavírus. 

"Uma de cada três pessoas que morreram de covid no mundo foi do Brasil. Quatro, de cada cinco mortes no Brasil estão em excesso, considerando o tamanho da nossa população, disse.

O médico também destacou a falta de coordenação do governo Jair Bolsonaro no país. "Não é porque é populoso, não é porque não é desenvolvido, não é por conta de pirâmide etária", afirmou.

PUBLICIDADE

"Não existe como defender uma série de posturas adotadas pelo presidente da República. A postura dele é a pior que nós, cientistas, observamos durante esta pandemia", acrescentou.


PUBLICIDADE

Assista à CPI da Covid pela TV 247:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email