Desejo de Guedes em privatizar estatal do pré-sal cria tensão com Ministério das Minas e Energia

Foco do atrito está na inclusão da Pré-Sal Petróleo S. A. (PPSA), responsável pelos contratos de exploração dos campos do pré-sal e pela comercialização do óleo que compete à União, na lista de privatizações do Ministério da Economia para os próximos meses

O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Adriano Machado.)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O desejo privatista do ministro da Economia, Paulo Guedes, abriu um novo foco de conflito entre a equipe econômica e o Ministério de Minas e Energia. Segundo reportagem do jornal O Globo, o foco da tensão está na tentativa de privatização da Pré-Sal Petróleo S. A. (PPSA), estatal responsável pelos contratos de exploração dos campos do pré-sal e pela comercialização do óleo que compete à União. 

A PPSA, juntamente com a Eletrobras, Correios e a Companhia Docas de São Paulo, está incluída na lista das privatizações prometidas por Guedes para os próximos meses. O ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque é contrário à ideia e diz ser favorável ao estudo de outras formas de comercialização do petróleo extraído do pré-sal. 

O receio é que a venda da estatal para a iniciativa privada acabe resultando em prejuízos à União em função dos preços futuros do petróleo e da variação cambial, entre outros fatores.  Apesar da discordância, as duas pastas avaliam ser necessário promover mudanças nas regras de exploração do pré-sal para os contratos de concessão. 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247