IBGE: reajuste na tarifa de energia pressiona inflação

Segundo técnicos do instituto, houve reajustes diretos (ou indiretos, por meio de aumento de tributos) do serviço em seis das 13 cidades e regiões metropolitanas pesquisadas pela instituição

IBGE: reajuste na tarifa de energia pressiona inflação
IBGE: reajuste na tarifa de energia pressiona inflação (Foto: Divulgação)

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

Reajustes nas tarifas de energia elétrica nos meses de julho e agosto contribuíram para aumentar a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no mês passado. Segundo técnicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve reajustes diretos (ou indiretos, por meio de aumento de tributos) do serviço em seis das 13 cidades e regiões metropolitanas pesquisadas pela instituição.

Com os empregados domésticos (que tiveram alta de 1,26%), o aumento de 1,76% do custo da energia elétrica foi o item individual que mais impactou para a inflação. A energia elétrica acumula altas de 11,66% em 2014 e 13,58% nos últimos 12 meses.

O impacto deste ano na inflação é inverso ao fenômeno de 2013, quando foi o item mais importante para conter a taxa, tendo caído mais do que 15%, lembrou a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos. "Em 2013, foram feitas várias revisões tarifárias e as contas ficaram mais baratas. Já agora [em 2014], com problemas que vêm acontecendo no setor, os reajustes têm sido relativamente altos em grande parte das regiões e as contas têm ficado mais salgadas", explicou.

Analisando-se os grupos de despesa do IPCA, apenas alimentação e vestuário tiveram queda de preços, ambos com deflação de 0,15%. Os demais tiveram inflação: habitação (0,94%), artigos de residência (0,47%), educação (0,43%), saúde e cuidados pessoais (0,41%), transportes (0,33%), comunicação (0,1%) e despesas pessoais (0,09%).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247