Ibovespa sobe 2,1% e dólar cai pelo segundo dia consecutivo, fechando a R$ 5,58

Com a alta de hoje, o principal índice da Bolsa brasileira reduziu o gap em relação aos mercados de ações internacionais, que dispararam nos últimos dias

Ibovespa avança puxado por bancos e Petrobras e mira 83 mil pontos
Ibovespa avança puxado por bancos e Petrobras e mira 83 mil pontos (Foto: REUTERS/Rahel Patrasso)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Infomoney - O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira (21) com a momentânea pacificação das relações entre governo e Congresso para um consenso em torno do veto ao reajuste do salário de servidores públicos em reunião com governadores.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá sancionar o mais rápido possível o projeto de ajuda aos estados vetando o aumento nos rendimentos do funcionalismo público. Além disso, continuaram hoje os acenos do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em apoio ao governo.

Com a alta de hoje, a Bolsa fecha parte do gap aberto com a performance pior do Ibovespa em relação aos índices acionários de outros países emergentes nas últimas semanas por conta da tensão política.

No começo da tarde, os investidores chegaram a tomar um susto e o índice amenizou parte dos ganhos depois de uma frente de partidos de esquerda formada por PT, PCdoB, PCB, PSTU, PCO e UP entrar com pedido de impeachment de Bolsonaro. Entretanto, logo as compras recomeçaram e a Bolsa acabou fechando perto da máxima do dia.

Os investidores seguem na expectativa pela possibilidade do ministro decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, divulgar o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, na qual o presidente Jair Bolsonaro teria dito que trocaria a superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro para paralisar as investigações contra seus filhos.

Com isso, o Ibovespa teve alta de 2,1%, a 83.027 pontos, com volume financeiro negociado de R$ 27,61 bilhões.

Já o dólar comercial registrou queda de 1,89%, a R$ 5,5811 na compra e R$ 5,5824 na venda. O dólar futuro para junho tinha baixa de 2,15%, a R$ 5,574.

Durante live realizada na noite de quarta-feira, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, afirmou que a autoridade monetária pode ampliar intervenção no câmbio se necessário e que o aumento das atuações nos últimos dias se deveu a um descolamento que a autoridade percebeu em relação às outras moedas de países emergentes.

A fala do presidente do BC ocorreu após queda do dólar ontem, mas com o real mantendo desempenho inferior aos principais pares. “Entendemos que tem um espaço amplo de venda de reservas ainda”, disse Campos Neto em webcast da Associação Brasileira de Indústrias de Base.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu 10 pontos-base a 3,35%, o DI para janeiro de 2023 teve baixa de nove pontos-base a 4,50% e o DI para janeiro de 2025 recuou 17 pontos-base a 6,40%.

Entre os indicadores internacionais, o número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA foi de 2,44 milhões, em linha com a expectativa mediana dos economistas compilada pelo consenso Bloomberg, que apontava para 2,4 milhões de pedidos.

O número de pedidos na semana anterior foi revisado para baixo, de 2,98 milhões para 2,69 milhões. Apesar do dado assustar, foi o menor em nove semanas, algo que indica que o fundo do poço já foi deixado para trás.

Também lá fora, foi notável a piora nas relações entre Estados Unidos e China. Ontem, o presidente americano, Donald Trump, voltou a culpar os chineses pela pandemia de coronavírus. “Foi a incompetência da China, e nada mais, que causou esse massacre em todo o mundo”, disparou Trump no Twitter.

O Senado americano aprovou na quarta projeto que poderia impedir que empresas chinesas como Alibaba e Baidu sejam listadas nas bolsas de valores dos EUA.

Segue no radar a expectativa em torno de um tratamento para a Covid-19, que já atinge mais de 5 milhões em todo o mundo. A farmacêutica AstraZeneca recebeu um financiamento de mais de US$ 1 bilhão do governo dos Estados Unidos para o desenvolvimento de uma vacina experimental para a doença.

A China simplificou as regras de importação de minério de ferro apesar das tensões entre a maior economia da Ásia e a Austrália, que possui duas das maiores mineradoras do mundo, a Rio Tinto e a BHP Billiton. Com isso, a partir de junho a administração aduaneira chinesa só irá examinar as cargas importadas de minério quando for solicitado pelo importador. Hoje, tudo é inspecionado.

A tonelada do minério de ferro está cotada acima de US$ 100 em Dalian (China). Nesta quinta-feira, o minério subiu 2,05%, para 722 mil iunes, o equivalente a US$ 101,73. A cotação está no seu maior patamar desde outubro de 2019 e reflete a recuperação da economia chinesa, a maior consumidora do produto, após as paralisações causadas pelo coronavírus.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247