Nelson Barbosa explica como Moro, Dallagnol e Eduardo Cunha contribuíram para a recessão no Brasil

Pautas-bomba e Lava Jato tiveram peso importante na recessão de 2014-2016, aponta o ex-ministro da Fazenda e do Planejamento

www.brasil247.com - Ex-ministro da Fazenda alerta para risco de desaceleração da economia
Ex-ministro da Fazenda alerta para risco de desaceleração da economia (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)


247 – "Continuando minha análise dos últimos anos, além de política econômica, choques internacionais e efeitos climáticos, a Operação Lava Jato (OLJ) e as pautas-bomba de 2015 também explicam parte da recessão de 2014-16", escreve o economista Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento, em artigo publicado nesta sexta-feira na Folha de S. Paulo.

"A consultoria de Gesner Oliveira estimou que a OLJ tivesse derrubado o PIB de 2015 em 2,5%. A queda total daquele ano foi de 3,5%. Já segundo estudo da CUT-Dieese, o efeito negativo da OLJ foi de 3,6% do PIB em 2014-16. A queda acumulada nos três anos foi de 6,2%", lembra Nelson. "Caso o número real se revele um quinto do estimado pela CUT-Dieese, a OLJ explica cerca de 12% da recessão de 2014-16", diz ele, antes de passar para o tema das pautas-bomba de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados.

"Já ouvi alguns 'especialistas de rede social' afirmarem que pauta-bomba é mito, pois Dilma desarmou a maioria das sabotagens fiscais da oposição. Quem diz isso é analfabeto político, pois desarmar armadilhas legislativas requer tempo e compensação orçamentária, barrando iniciativas mais progressistas. Foi isso que ocorreu em 2015. Também já ouvi alguns cínicos dizerem que pauta-bomba faz parte do 'jogo duro constitucional', pois é natural a oposição querer o 'quanto pior melhor', mas acho essa visão coisa de gente mimada que não sabe perder eleição (tucanos)", assinala.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nelson também recorda que "o PIB voltou a crescer no segundo trimestre de 2016, fruto da estabilização do cenário internacional e das medidas de flexibilização fiscal adotadas pelo governo Dilma no final de 2015."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email