País tem 26,8 milhões de trabalhadores subutilizados no 3º trimestre

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 17, mostram que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano; de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%; número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2%

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 17, mostram que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano; de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%; número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2%
Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 17, mostram que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano; de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%; número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2% (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira, 17, que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano. 

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que, de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%.

Segundo o IBGE, o número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2%.

De julho a setembro deste ano, as maiores taxas de subutilização de trabalhadores partiram da Bahia (40,1%), do Piauí (38,5%), e do Maranhão (37%) e as menores, de Santa Catarina (10,9%), Mato Grosso (14,8%) e Rondônia (15,5%).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247