Pochmann: Bolsonaro faz o “neodarwinismo” com a política econômica

"Até o que parecia impossível, ameaça ocorrer frente à perspectiva de confirmação de um governo ainda pior do que o de Temer que durou um pouco mais de 2 anos. Com o neodarwinismo na política econômica, a demissão em massa nas montadoras, e social, maior degradação na previdência", afirmou o economista

Pochmann: Bolsonaro faz o “neodarwinismo” com a política econômica
Pochmann: Bolsonaro faz o “neodarwinismo” com a política econômica (Foto: Elza Fiúza - ABR)

247 - O economista Márcio Pochmann criticou a proposta de Reforma da Previdência feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que prevê, por exemplo, idade mínima de 65 para homens e mulheres, 40 anos de contribuição é cruel; e um regime de capitalização, em que o trabalhador faz uma espécie de poupança e abre uma conta individual para depositar um percentual do salário todos os meses com o objetivo de bancar seus benefícios no futuro. 

"Regime de capitalização nas aposentadorias, por impor rebaixamento de benefícios e exclusão de parcela significativa de idosos em países como Chile, Colômbia, México e Perú, leva à contínua mudança legislativa, o que significa maior instabilidade econômica e insegurança social", disse o estudioso no Twitter.

"Até o que parecia impossível, ameaça ocorrer frente à perspectiva de confirmação de um governo ainda pior do que o de Temer que durou um pouco mais de 2 anos. Com o neodarwinismo na política econômica, a demissão em massa nas montadoras, e social, maior degradação na previdência", acrescentou.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247