Aldo aponta boa relação entre governo e CBF

Em entrevista, o ministro nega qualquer mal-estar com a Confederação Brasileira de Futebol, comandada por José Maria Marin, e aponta saldo positivo da Copa das Confederações

Aldo aponta boa relação entre governo e CBF
Aldo aponta boa relação entre governo e CBF

247 - Em entrevista à Folha, o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, fez questão de negar qualquer mal-estar entre o governo federal e a CBF. Ele também registrou o sucesso da Copa das Confederações. Confira alguns trechos:

A relação do governo com o comando da CBF:

São relações normais, institucionais. Temos uma responsabilidade comum de organizar a Copa.

Encontro entre Dilma e José Maria Marin

A presidente já esteve em várias ocasiões públicas com o presidente da CBF. Eu nunca recebi um pedido oficial de audiência com a presidente Dilma. Portanto não há como se dizer que ela tenha se negado a receber o presidente Marin, isso não é verdade.

Visita da seleção ao Palácio do Planalto

Não havia como viabilizar uma viagem de última hora. Todos tinham compromisso imediatamente após o jogo e não estava prevista essa vinda. A seleção pode vir a qualquer hora. Seria até injusto achar que houve da parte da CBF qualquer tentativa de impedir a seleção de vir.

Horários dos jogos

Isso é uma negociação entre clubes e detentores dos direitos de transmissão. Então é preciso abordar esses interessados. Tem que ser resolvido levando em conta o interesse público do torcedor, do organizador e dos clubes. Eles têm que se manifestar. Já abordei essa questão com parte dos interessados e não vi nenhuma resistência em conversar.

Copa das Confederações

Foi um sucesso. Não foi 100% de superação, mas resolvemos. Foi nota 9. Faltou a entrega [dos estádios] dentro do tempo [dezembro de 2012]. Não pudemos fazer todos os testes e isso indicou problemas que teriam sido antecipados. Precisamos para a Copa ter mais rigor nos prazos e nos testes, mas os estádios de alta qualidade foram entregues.

Preços dos estádios

O preço, quando você calcula a partir do preço do assento, está na média da África do Sul. Nossos custos são mais caros, o Brasil hoje é um país muito caro em tudo, em impostos.

Apoio da população à Copa

Os manifestantes se preocuparam com saúde, educação, transporte e segurança. Cobram que a qualidade e o padrão dos serviços tenham paralelo com o padrão dos estádios. Isso não significa contestação à Copa. O próprio Datafolha, depois das manifestações, revelou que 65% da população continuam a favor da Copa no Brasil.

Vaia à presidente Dilma

Nelson Rodrigues advertiu, dando o exemplo do Maracanã, que vaiava até minuto de silêncio. É uma tradição no Brasil. Não é nada pessoal.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247