Aldo: "Pelos críticos, Copa seria na Inglaterra"

Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, minimiza declínio da aprovação popular em relação a Copa: "os números refletem uma campanha dos principais meios de comunicação contra o Mundial"; segundo ele, não se trata apenas de um evento esportivo, mas também econômico, que trará muitos investimentos privados para o Brasil; ele ainda não se diz preocupado com os atrasos na entrega dos estádios: "os organizadores acreditam na capacidade do Brasil porque olharam para o nosso passado e viram o país que construímos"

Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, minimiza declínio da aprovação popular em relação a Copa: "os números refletem uma campanha dos principais meios de comunicação contra o Mundial"; segundo ele, não se trata apenas de um evento esportivo, mas também econômico, que trará muitos investimentos privados para o Brasil; ele ainda não se diz preocupado com os atrasos na entrega dos estádios: "os organizadores acreditam na capacidade do Brasil porque olharam para o nosso passado e viram o país que construímos"
Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, minimiza declínio da aprovação popular em relação a Copa: "os números refletem uma campanha dos principais meios de comunicação contra o Mundial"; segundo ele, não se trata apenas de um evento esportivo, mas também econômico, que trará muitos investimentos privados para o Brasil; ele ainda não se diz preocupado com os atrasos na entrega dos estádios: "os organizadores acreditam na capacidade do Brasil porque olharam para o nosso passado e viram o país que construímos" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A quase 100 dias da abertura da Copa do Mundo no Brasil, o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, minimiza a queda na aprovação popular em relação à Copa: “os números refletem uma campanha dos principais meios de comunicação contra o evento”. Segundo ele, se dependesse dos críticos, a Copa seria na Inglaterra.

Aldo defende o legado desse tipo de competição para o país: “não é apenas um evento esportivo, mas também econômico, que trará muitos investimentos privados, vai melhorar o turismo, melhorar a economia, as pessoas vão sentir e mudar de ideia”.

Ele cita dados de consultorias privadas como a Getúlio Vargas, que apontam que serão criados 3,6 milhões de empregos, mais que a população do Uruguai. “Haverá um acréscimo de 0,4% no PIB até 2019. Para cada real público, o setor privado investirá 3,4 reais”.

Segundo o ministro, não faria sentido a Copa não ser levada para Estados como Amazonas e Mato Grosso: “Seria excluir uma parte representativa da identidade e da cultura do Brasil. Nenhum lugar do mundo tem um bioma como o Pantanal, uma cidade como Cuiabá com mais de 300 anos, um estado forte na agropecuária, responsável por mais de 60% do superávit brasileiro”.

Ele não se diz preocupado com os atrasos na entrega dos estádios e que os organizadores acreditam na capacidade do Brasil porque “olharam para o nosso passado e viram o país que construímos”.

Leia aqui a entrevista do ministro no UOL.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email