Delator: corrupção de políticos em SP começou com Maluf há quase 40 anos

Ex-presidente da Odebrecht, Pedro Novis afirmou que a corrupção de agentes públicos e políticos em São Paulo começou no governo Paulo Maluf (1979-1982), atual deputado federal pelo PP (foto) - na época ele era do Arena, partido de sustentação do regime militar; segundo Novis, no início dos anos 80, a empreiteira havia acabado de comprar a CBPO, construtora com forte atuação em São Paulo, quando descobriu “uma estrutura já montada na organização para atender as demandas de campanhas e das obras relativas à caixa 2”; delator afirmou que a construtora pagava propina, por exemplo, para o governo reajustar os preços dos contratos por causa da hiperinflação do período, que chegava a superar 80% ao mês

Plen�rio 1 Comiss�o de Constitui��o e Justi�a Reuni�o Ordin�ria Dep. Paulo Maluf Foto: Janine Moraes 08.06.2010
Plen�rio 1 Comiss�o de Constitui��o e Justi�a Reuni�o Ordin�ria Dep. Paulo Maluf Foto: Janine Moraes 08.06.2010 (Foto: Leonardo Lucena)

SP 247 - Em delação premiada, o ex-presidente da Odebrecht Pedro Novis afirmou que a corrupção de agentes públicos e políticos em São Paulo começou no governo Paulo Maluf (1979-1982), atual deputado federal pelo PP. Segundo Novis, no início da década de 1980, a empreiteira havia acabado de comprar a CBPO, construtora com forte atuação em São Paulo, quando descobriu que “havia uma estrutura já montada na organização para atender as demandas de campanhas e das obras relativas à caixa 2”.

O executivo afirmou que Maluf, então governador pela Arena, partido de sustentação do regime militar, tinha “participação nos contratos” de obras públicas. “De 80 a 82, nós já encontramos uma relação do Paulo Maluf com a organização da CBPO. Ele já tinha participação nos contratos, um porcentual nos contratos”, acrescentou.

Aos procuradores, o Novis listou duas obras nas quais tinha conhecimento de pagamento de propina ao então governador pela CBPO: A duplicação da estrada de ferro Campinas-Santos, da Fepasa, e a construção civil da Hidrelétrica de Rosana, conhecida como Porto Primavera, que pertence a Cesp, estatal energética de São Paulo.

Segundo Novis, a construtora pagava propina, por exemplo, para o governo reajustar os preços dos contratos por causa da hiperinflação do período, que chegava a superar 80% ao mês. “Os recursos eram gerados a partir de subempreiteiras que superfaturavam ou partir da compra de terrenos superfaturados”, contou. Conforme relato do blog do Fausto Mecedo, a assessoria do deputado Paulo Maluf informou que ele não vai se manifestar a respeito.

Janot pede arquivamento

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou o material com os relatos ao Supremo Tribunal Federal (STF) com pedido de arquivamento, pois, de acordo com Janot, o executivo não apresentou provas e que dificilmente seria possível obtê-las mais de 30 anos após a execução dos possíveis crimes.

O ministro Edison Fachin, relator da Lava Jato no STF, acolheu o pedido de arquivou a petição de Janot na semana passada.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247