Deputados ainda não votaram orçamento

A peça orçamentária do exercício financeiro de 2016 deve ser apreciado pelo parlamento alagoano apenas depois do dia 20 de janeiro; o governo estimou a receita e fixou as despesas para os próximos meses na ordem de mais de R$ 8 bilhões; justificativa dos deputados é de que aguardam os novos cálculos que os técnicos do governo do estado realizam em toda a peça orçamentária, visto que os aposentados e pensionistas dos Poderes serão assistidos pelo AL Previdência; além disso, com a queda de receita há expectativa de que o Tribunal de Justiça (TJ), Ministério Público, Tribunal de Contas e a Assembleia Legislativa sofram uma redução de R$ 121 milhões na previsão dos repasses do Poder Executivo

A peça orçamentária do exercício financeiro de 2016 deve ser apreciado pelo parlamento alagoano apenas depois do dia 20 de janeiro; o governo estimou a receita e fixou as despesas para os próximos meses na ordem de mais de R$ 8 bilhões; justificativa dos deputados é de que aguardam os novos cálculos que os técnicos do governo do estado realizam em toda a peça orçamentária, visto que os aposentados e pensionistas dos Poderes serão assistidos pelo AL Previdência; além disso, com a queda de receita há expectativa de que o Tribunal de Justiça (TJ), Ministério Público, Tribunal de Contas e a Assembleia Legislativa sofram uma redução de R$ 121 milhões na previsão dos repasses do Poder Executivo
A peça orçamentária do exercício financeiro de 2016 deve ser apreciado pelo parlamento alagoano apenas depois do dia 20 de janeiro; o governo estimou a receita e fixou as despesas para os próximos meses na ordem de mais de R$ 8 bilhões; justificativa dos deputados é de que aguardam os novos cálculos que os técnicos do governo do estado realizam em toda a peça orçamentária, visto que os aposentados e pensionistas dos Poderes serão assistidos pelo AL Previdência; além disso, com a queda de receita há expectativa de que o Tribunal de Justiça (TJ), Ministério Público, Tribunal de Contas e a Assembleia Legislativa sofram uma redução de R$ 121 milhões na previsão dos repasses do Poder Executivo (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - O líder do governo na Assembleia Legislativa de Alagoas, deputado Ronaldo Medeiros (PT), informou, na tarde desta terça-feira (5), que a peça orçamentária do exercício financeiro de 2016 deve ser apreciado pelos parlamento depois do dia 20 de janeiro. Para 2016, o governo estimou a receita e fixou as despesas para os próximos meses na ordem de R$ 8.419.876.246,00.

De acordo com Medeiros, os integrantes da Casa de Tavares Bastos aguardam os novos cálculos que os técnicos do governo do estado realizam em toda a peça orçamentária, visto que os aposentados e pensionistas do Poderes serão assistidos pelo AL Previdência.

"O impacto da inserção dos aposentados e demais servidores no AL Previdência ainda é fruto de vários estudos. Portanto, assim que for concluído todo o levantamento, a peça orçamentária retorna para o parlamento, o que deve acontecer depois do dia 20 de janeiro", explicou o líder do governo na ALE.

Redução nos duodécimos

Com a queda de receita e a intensidade da crise econômica, há expectativa de que o Tribunal de Justiça (TJ), Ministério Público, Tribunal de Contas e a Assembleia Legislativa sofram uma redução de R$ 121 milhões na previsão dos repasses do Poder Executivo.

Em recente mensagem enviada à ALE, o governador Renan Filho (PMDB) justificou que a redução da expectativa de receita é necessária em virtude da possibilidade de a arrecadação estadual crescer apenas 3,45% neste ano.

"É importante que a discussão sobre a redução dos duodécimos seja realizada, já que ninguém sabe para onde a economia do Brasil vai ao longo dos próximos meses. Alagoas, como todo os demais estados da federação, está sofrendo com a crise econômica. Por isso, acreditamos nessa importante discussão", apontou Medeiros.

Com gazetaweb.com

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247