Doria anuncia cortes e redução de 15% nos contratos municipais

Prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou uma série de cortes que pretende implantar nos primeiros dias de sua gestão; dentre as medidas anunciadas estão a redução de 15% nos valores dos contratos com prestadoras de serviço, além de 25% em todas as despesas, menos as ligadas às áreas de saúde e educação; também estão previstos a redução no número de cargos comissionados e a venda de veículos oficiais;"São medidas de contenção de despesas e redução orçamentária para permitir que possamos enfrentar o ano de 2017 com êxito", disse

São Paulo - Entrevista coletiva do prefeito eleito da capital paulista, João Dória (Rovena Rosa/Agência Brasil)
São Paulo - Entrevista coletiva do prefeito eleito da capital paulista, João Dória (Rovena Rosa/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)

SP 247 - O prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou uma série de cortes que pretende implantar assim que assumir o comando do Executivo da capital paulista. Dentre os cortes anunciados pelo tucano, estão a redução de 15% nos valores dos contratos com prestadoras de serviço, além de 25% em todas as despesas, menos as ligadas às áreas de saúde e educação. Também estão previstos a redução no número de cargos comissionados e a venda de veículos oficiais.

"São medidas de contenção de despesas e redução orçamentária para permitir que possamos enfrentar o ano de 2017 com êxito e de uma maneira correta", justificou Doria. Segundo ele, as empresas que possuem contratos com o município terão que aumentar a eficiência, sem reduzir a qualidade ou o volume de serviços prestados. Parte dos recursos será empregada no custeio do subsídio da tarifa de ônibus.

Doria também anunciou que os cortes deverão alcançar cerca de 30% dos cargos comissionados da prefeitura. "Os que puderem avançar além desse número nós vamos elogiar e estabelecer um mecanismo de reconhecimento", afirmou.

O tucano também destacou que os cerca de 1,3 mil veículos da frota municipal serão leiloados ou devolvidos às locadoras. "É uma economia substantiva, de quase R$ 120 milhões por ano, contando o custo dos veículos, combustível, seguro, pneus, mecânica, motoristas, custos de estacionamento", observou.

Segundo ele, os funcionários deverão utilizar táxis e o aplicativo Uber para se locomover. Doria prometeu que irá utilizar o seu próprio carro para trabalhar.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247