Mostra não incita pedofilia, diz promotor

Para o promotor Júlio Almeida, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a exposição "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", cancelada pelo grupo Santander no domingo (10), em Porto Alegre, não incita pedofilia ou qualquer outro crime; com o cancelamento da mostra na capital gaúcha, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília, mostraram interesse em receber a exposição

Para o promotor Júlio Almeida, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a exposição "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", cancelada pelo grupo Santander no domingo (10), em Porto Alegre, não incita pedofilia ou qualquer outro crime; com o cancelamento da mostra na capital gaúcha, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília, mostraram interesse em receber a exposição
Para o promotor Júlio Almeida, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a exposição "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", cancelada pelo grupo Santander no domingo (10), em Porto Alegre, não incita pedofilia ou qualquer outro crime; com o cancelamento da mostra na capital gaúcha, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília, mostraram interesse em receber a exposição (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul 247 - Para o promotor Júlio Almeida, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a exposição "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", cancelada pelo grupo Santander no domingo (10), em Porto Alegre, após manifestações contra o que consideravam serem "obras de teor sexual" não incita pedofilia ou qualquer outro crime.

Kim Kataguiri, integrante do MBL, afirmou em entrevista à Folha que o problema da mostra seria seu direcionamento "para alunos de escolas públicas e privadas", o que a curadoria da exposição nega. Após visitar a mostra, o promotor afirmou que a exposição não contém "imagens de crianças simulando relações sexuais, nem exposição de genitália de crianças para fins primordialmente sexuais", considerados incitação à pedofilia de acordo com o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente).

Descartada a hipótese de crime sexual contra crianças, o promotor afirma que agora é preciso analisar se houve "alguma infração administrativa". Em exposições, o correto é fazer uma classificação etária - não havia essa indicação para os visitantes. Em caso de infração, os organizadores serão multados. 

Após o encerramento da mostra na capital gaúcha com um mês de antecedência, a exposição Queermuseu agora procura outra cidade para se instalar. A afirmação foi feita nesta terça-feira (12) pelo curador da mostra, Gaudêncio Fidelis, durante manifestação contra a LGBTTFobia organizada por grupos culturais, sindicatos e entidades de defesa da população LGBT.

Segundo Fidelis, secretários de cultura e representantes de instituições de outras cidades demonstraram interesse em acolher a exposição. Entre as cidades que teriam demonstrado interesse estão São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília. Apesar dos convites, o curador destacou a complexidade para transportar as obras.

A Queermuseu conta com 270 obras assinadas por 85 artistas, como Adriana Varejão, Candido Portinari, Ligia Clark, Yuri Firmesa e Leonilson. As peças abordam a temática sexual, questões de gênero e de diferenças. Segundo Fidelis, muitas destas obras estão em exibição há mais de 30 anos em diferentes museus do mundo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247